Investigação

Prodígio do xadrez é "batoteiro" e é acusado de usar brinquedo sexual para vencer

Prodígio do xadrez é "batoteiro" e é acusado de usar brinquedo sexual para vencer

Hans Niemann tem apenas 19 anos e contra todas as probabilidades derrotou o número um do xadrez na Taça de Sinquefield, no mês passado. Desde então, o nome do prodígio está envolto em polémica. Magnus Carlsen acusou-o de fazer batota e uma investigação independente pôs a nu o passado fraudulento do norte-americano. Há até quem acredite que recorreu a um brinquedo sexual vibratório para ganhar o jogo.

Pode ser difícil de imaginar, mas Hans Niemann provou ser o craque em desfazer os cânones do imaginário no que diz respeito ao xadrez. Com apenas 19 anos, o norte-americano fez uma ascensão meteórica ao top 50 dos melhores do mundo nos últimos dois anos e derrotou o campeão do Mundo, Magnus Carlsen, no início de setembro, na Taça Sinquefield, nos Estados Unidos da América. Com os holofotes desta conquista inesperada chegaram também os rumores e as suspeitas de que Niemann era na verdade um batoteiro.

Uma investigação conduzida por um dos maiores sites de xadrez online, Chess.com, e revista pelo "Wall Street Journal", revelou, na terça-feira, que é "provável" que o jovem tenha feito batota em mais de 100 jogos online, no ano de 2020, incluindo em eventos onde o prémio era monetário e até contra figuras consagradas da modalidade.

PUB

O relatório de 72 páginas recorreu a diferentes ferramentas de deteção de batota: análises que comparam jogadas de um humano com as recomendadas por computadores, estudou o desempenho e perfil do jogador e monitorizou ainda o seu comportamento para perceber se abria outros motores de busca enquanto jogava. "Descobrimos que Hans provavelmente fez batota em mais de 100 jogos de xadrez online", garante o Chess.com.

A investigação contradiz ainda as declarações feitas por Niemann de que só tinha feito batota em jogos informais quando tinha 12 e 16 anos, mas nunca em competições.

"Olhando puramente para a classificação, Hans deve ser classificado como membro deste grupo de jogadores de topo". Mencionando os resultados "estatisticamente extraordinários", o Chess.com disse que não havia "provas concretas" que Niemann tivesse feito batota na sua vitória contra Carlsen a 4 de setembro ou em outros jogos frente a frente, no entanto reconheceu que estes "mereciam uma investigação mais profunda". A plataforma de xadrez mais popular do mundo encerrou a conta do jogador no mês passado.

Brinquedo sexual e a batota no xadrez

Foi quando Niemann bateu o norueguês Magnus Carlsen e impediu o atual campeão do Mundo de alcançar a 54.º vitória consecutiva na modalidade que o escândalo eclodiu. A derrota e a retirada de Carlsen do torneiro provocou um turbilhão de comentários e alegações de que Niemann estaria a usar um brinquedo sexual anal para receber informações sobre o jogo.

Soa ao cúmulo da teoria da conspiração, mas Ron Sijm desenvolveu um software para testar esta possibilidade e perceber se o norte-americano poderia efetivamente fazer batota com o objeto. Segundo a VICE, o engenheiro dos Países Baixos divulgou o código na plataforma GitHub.

As partidas de xadrez são transmitidas ao vivo, pelo que é possível que uma equipa veja o tabuleiro, passe as jogadas a um computador que depois comunica os movimentos da Inteligência Artificial de volta a Niemann. Ou seja, a equipa de Niemann vibraria o objeto de uma certa forma e ele assim saberia como chegar mais rápido ao xeque-mate.

Sijm adaptou o Stockfish, um programa que usa um motor de xadrez e vibrações para comunicar com dispositivos de internet, e criou o ButtFish. "Este projeto é sobretudo um meme", admitiu o neerlandês. Sijm afirma também que a teoria do brinquedo sexual vibratório tem algumas lacunas. Por exemplo, seria incrivelmente difícil traduzir vibrações sentidas no ânus em movimentos de xadrez viáveis. Apesar de já ter o sistema que envia pulsos longos e curtos, falta-lhe agora o objeto mais adequado para o efeito para provar se o jovem prodígio poderia ou não ter recorrido a este método para fazer batota.

"Se eles quiserem que eu me ponha todo nu, eu faço-o", garantiu Niemann. O norte-americano chegou mesmo a receber uma proposta de 1 milhão de dólares de um site para jogar nu e provar que não usa um brinquedo sexual com Inteligência Artificial.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG