Mundo

Protestos no Brasil continuam até tarifa dos transportes baixar, avisam manifestantes

Protestos no Brasil continuam até tarifa dos transportes baixar, avisam manifestantes

Os elementos do Movimento Passe Livre afirmaram, esta terça-feira, na Prefeitura de São Paulo que os protestos nas ruas continuarão até a revogação do aumento da tarifa do transporte público de três para 3,20 reais, equivalente a 1,11 euros.

Segundo os ativistas do movimento, o protesto de segunda-feira na cidade juntou cerca de 100 mil pessoas (o instituto de pesquisas Datafolha havia apontado 65 mil pessoas) e há uma nova manifestação agendada para esta terça-feira, no centro do município.

O Movimento Passe Livre (MPL) afirma que, atualmente, 37 milhões de brasileiros não têm acesso ao transporte público devido ao seu preço.

Os ativistas defenderam que a diminuição no preço seja compensada por um menor lucro aos empresários que administram as concessões de autocarros, e não aos utentes, convidando o prefeito para uma reunião na quarta-feira.

O prefeito Fernando Haddad afirmou que o movimento é 'legítimo' e que o congelamento da tarifa nos três reais geraria um custo anual suficiente para contratar 20 mil médicos ou para duplicar o numero de leitos hospitalares.

Haddad afirmou ainda que quer levar o debate aos bairros da cidade, mas não se comprometeu em baixar a tarifa. No próximo mês, a cidade terá uma nova adjudicação para os contratos de concessão dos autocarros da cidade.