Defesa

Putin diz que Rússia produz mais mísseis antiaéreos que o resto do mundo junto

Putin diz que Rússia produz mais mísseis antiaéreos que o resto do mundo junto

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, garantiu, esta terça-feira, que o seu país está a produzir tantos mísseis antiaéreos como todos os países do mundo juntos, em resposta à alegada escassez de munições no Exército russo.

"No que diz respeito aos mísseis de defesa antiaéreos de diferentes classes, a produção russa é comparável à produção mundial", sublinhou o chefe de Estado russo, durante uma reunião no Kremlin com Viacheslav Gladkov, governador da região de Belgorod, faz fronteira com a Ucrânia.

Putin enfatizou que a Rússia fabrica "três vezes mais" mísseis antiaéreos do que os produzidos pelos Estados Unidos para os sistemas de defesa antiaéreos Patriot.

PUB

"O desempenho bélico no campo de batalha mostra que a defesa antiaérea russa é uma das melhores do mundo. Além disso, claro, os nossos sistemas são modernos e confiáveis. Tudo pode acontecer, mas em geral trabalham sem erros", frisou, citado pela agência Efe.

Em dezembro, coincidindo com uma visita a Washington do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, os Estados Unidos anunciaram o envio dos sistemas Patriot a Kiev, para neutralizar os bombardeamentos das forças russas.

Segundo Putin, o seu país encontrará "um antídoto" contra os Patriot, que considerou serem "bastante antigos" e que não funcionam "tão bem" como os russos S-300.

"Vamos esmagá-los" como nozes, acrescentou, em referência ao sistema de defesa norte-americano.

Na semana passada, o primeiro-ministro neerlandês, Mark Rutte, anunciou que o seu país também planeia enviar componentes do sistema Patriot para a Ucrânia.

Durante a reunião com o governador de Belgorod, Vladimir Putin também abordou a concessão de ajuda para a construção de moradias para aqueles que tiveram que ser evacuados da fronteira com a Ucrânia por razões de segurança.

Belgorod é a região que sofre mais ataques desde o início da invasão russa da Ucrânia e pelo menos 25 pessoas morreram e quase 100 ficaram feridas nos ataques ucranianos, anunciou hoje o governador local.

É a primeira vez em 11 meses de conflito que as autoridades russas dão oficialmente o número de mortos e de feridos numa determinada região.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG