Guerra na Ucrânia

Putin garante que Gazprom irá cumprir "plenamente" as suas obrigações

Putin garante que Gazprom irá cumprir "plenamente" as suas obrigações

O Presidente russo, Vladimir Putin, garantiu esta terça-feira que a gigante do gás Gazprom irá cumprir integralmente as suas obrigações com os fornecedores, num momento em que as entregas na Europa estão a diminuir.

"A Gazprom cumpriu, continua a cumprir e cumprirá plenamente as suas obrigações, caso alguém precise", assegurou o chefe de Estado da Rússia, em conferência de imprensa após a reunião do chamado Grupo de Astana, que junta Rússia, Turquia e Irão, e que decorreu em Teerão.

PUB

Putin acusou os "parceiros" da gigante estatal russa de "culpar ou tentar culpar a Rússia e a Gazprom pelos próprios erros", alertando que os europeus apostaram em "fontes de energia não tradicionais".

"A Gazprom está pronta para bombear o quanto for necessário", sublinhou, indicando que o Ocidente está com problemas porque adotou sanções contra Moscovo e "fechou" os canais de entrega de hidrocarbonetos.

A Gazprom reduziu as entregas de gás através do gasoduto Nord Stream 1 para a Alemanha em 60% no mês passado.

Na semana passada, a gigante russa do gás Gazprom salientou que o bom funcionamento do Nord Stream, que transporta gás russo para a Alemanha e que está parado desde o dia 11, dependia da recuperação de algumas turbinas que estavam retidas no Canadá devido às sanções impostas pela União Europeia à Rússia, desde o início da invasão da Ucrânia.

No entanto, na segunda-feira, o governo alemão explicou que a substituição da turbina no gasoduto que transporta gás russo para a Europa estava apenas prevista para setembro e sublinhou que não deverá haver nenhum obstáculo técnico para a importação.

Ao mesmo tempo, o maior importador de gás russo da Alemanha divulgou que recebeu uma carta da Gazprom, da Rússia, alegando "força maior" como motivo para o 'deficit' passados e atuais nas entregas de gás, uma alegação que a empresa alemã rejeitou.

A gigante russa de gás citou supostos problemas técnicos envolvendo equipamentos que a parceira Siemens Energy enviou para o Canadá para revisão e não puderam ser devolvidos devido às sanções impostas pela invasão russa da Ucrânia.

O governo canadiano realçou que há mais de uma semana que permitiria que a turbina a gás que alimenta uma estação de compressão fosse entregue à Alemanha, citando as "dificuldades muito significativas" que a economia alemã sofreria sem um suprimento de gás suficiente para manter as indústrias em funcionamento e para gerar calor e eletricidade.

Políticos alemães rejeitaram a explicação técnica da Rússia para a redução do mês passado no gás que flui através do Nord Stream 1, referindo que a decisão foi uma jogada política do Kremlin (presidência russa) para semear incerteza e aumentar ainda mais os preços da energia.

O operador do Nord Stream 1, na Alemanha, garantiu esta terça-feira que a manutenção do gasoduto estará finalizada em 21 de julho, conforme planeado.

Autoridades alemãs estão preocupadas que a Rússia não possa retomar as entregas de gás após o término programado desse trabalho na quinta-feira e apresente uma suposta razão técnica para não fazê-lo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG