Covid-19

Putin quer iniciar vacinação "em larga escala" já na próxima semana

Putin quer iniciar vacinação "em larga escala" já na próxima semana

O presidente russo, Vladimir Putin, pediu esta quarta-feira às autoridades de saúde que comecem já no final da próxima semana a vacinação contra o novo coronavírus em "larga escala" na Rússia.

"Peço que organizem o trabalho para que, no final da próxima semana, comecemos a vacinação em larga escala", declarou Putin, durante uma videoconferência com a vice-primeira-ministra encarregada da saúde, Tatiana Golikova, afirmando que a "indústria e as infraestruturas estão prontas".

"Sei que mais de dois milhões de doses já foram produzidas ou serão produzidas nos próximos dias", acrescentou o presidente russo, especificando que os "grupos de risco, médicos e professores" serão vacinados primeiro.

A vacina Sputnik V, desenvolvida pelo centro de investigação Gamaleia, em Moscovo, está atualmente na terceira e última fase de testes clínicos com 40 mil voluntários, e os cientistas que a desenvolveram afirmam que é 95% eficaz.

No final de novembro, as autoridades anunciaram que começaram a vacinar os militares russos: mais de 400 mil devem ser vacinados, incluindo 80 mil até ao final deste ano.

As vacinas, que não serão obrigatórias, serão gratuitas para os cidadãos russos, indicaram as autoridades.

PUB

A Rússia, o quarto país com mais contágios a nível mundial atrás dos Estados Unidos, Índia e Brasil, registou 25.345 novos casos de contágio pelo novo coronavirus nas últimas 24 horas e um novo recorde de mortes num só dia, com 589.

No total, o país contabilizou 2.347.401 infeções desde o início da pandemia e 41.053 mortes.

Se Vladimir Putin considerou recentemente a situação "preocupante", qualquer novo confinamento nacional está, por enquanto, excluído, de modo a evitar a paralisação da economia.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.482.240 mortos resultantes de mais de 63,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG