Covid-19

Quinze turistas italianos expulsos da Mauritânia por recusarem quarentena

Quinze turistas italianos expulsos da Mauritânia por recusarem quarentena

Quinze turistas italianos foram expulsos da Mauritânia depois de se recusarem a ficar em quarentena até que se comprovasse que não eram portadores do novo coronavírus (Covid-19).

Segundo a agência de notícias EFE, os italianos chegaram a Nouakchott no sábado à noite e disseram que desconheciam as medidas de precaução aplicadas pelas autoridades da Mauritânia, que os colocaram em isolamento num hotel na cidade com a proibição de deixá-lo até novo aviso.

No entanto, os turistas deixaram o hotel no dia seguinte para continuar a sua jornada para o norte do país.

Alertada imediatamente, a polícia montou postos de controlo nas estradas e os 15 turistas foram intercetados cem quilómetros ao norte da capital, na estrada que leva à região de Adrar, um dos destinos turísticos preferidos pelos turistas ocidentais.

Depois, entre se submeter à quarentena ou regressarem ao seu país, os turistas italianos optaram por deixar a Mauritânia.

Até ao momento, a Mauritânia não registou algum caso do novo coronavírus, mas aplica medidas estritas que incluem a quarentena por quinze dias de todas as pessoas de "países de risco" e postos de controlo médico nas fronteiras.

PUB

O medo de contágio aumentou depois de casos confirmados em vários países vizinhos deste país de África, como Senegal, Argélia e Marrocos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG