Mobilidade

Radares que detetam quem trava e depois acelera testados em Espanha

Radares que detetam quem trava e depois acelera testados em Espanha

Se viajar para o país vizinho, saiba que haverá novos radares nas estradas para detetar os condutores que carregam demasiado no acelerador. O novo método espanhol consiste em saber quem reduz a velocidade repentinamente na passagem por um radar fixo e depois acelera assim que passa por ele.

Os novos radares estão a ser testados em diferentes cidades de Espanha nos últimos meses e a experiência poderá ser (em breve) alargada a todo o país. Uma das "técnicas" mais usadas pelos condutores para fugir às multas de excesso de velocidade pode estar prestes a terminar. A Direção-Geral de Trânsito de Espanha quer desincentivar a prática de "travar" e "acelerar" aquando da aproximação de um radar, revela a rádio "Cadena Ser".

A instalação de "radares em cascata" visa punir aqueles que reduzem repentinamente a velocidade quando se aproximam de um radar fixo e depois aceleram após a passagem do mesmo. Assim, cada vez que um condutor acelerar depois do radar fixo, o radar móvel trata de registar o excesso de velocidade, para depois punir o infrator com uma multa.

A experiência começou em Navarra e, consoante os resultados, a Direção-Geral de Trânsito vai determinar se suprime os radares móveis ou se os mantém nas estradas espanholas. Uma das principais vantagens dos novos aparelhos, além da segurança rodoviária, é para os cofres do Estado espanhol. Os radares móveis são mais baratos do que a instalação e manutenção dos radares fixos.

No que toca à margem de erro, calculada em todos os radares, estes aparelhos têm uma tolerância de sete quilómetros por hora, em estradas em que a velocidade máxima é de 100 km/hora em Espanha. O valor é semelhante ao praticado em Portugal nos radares fixos.

De facto, os números de "tolerância" nos dois países podem revelar-se importantes para os condutores portugueses. Uma análise de agosto de 2019 da Direção-Geral de Trânsito de Espanha estimava que mais de 43 mil portugueses tinham sido apanhados por excesso de velocidade neste país.

Graças à rede do Sistema Europeu de Informação sobre Veículos e Cartas de Condução (EUCARIS), qualquer condutor é punido caso cometa uma infração num país europeu. Os valores por excesso de velocidade nas autoestradas espanholas podem variar entre 100 e 600 euros. Esta continua a ser uma das principais causas de infração automóvel em Portugal, Espanha e na Europa.

Outras Notícias