Em atualização

Rajoy: "Quero ser o primeiro a felicitar Sanchez"

Rajoy: "Quero ser o primeiro a felicitar Sanchez"

"Foi uma honra ter deixado Espanha melhor do que a encontrei", declarou Mariano Rajoy antes da votação da segunda moção de censura que deverá fazer cair o seu governo.

A segunda moção de censura ao governo de Mariano Rajoy (PP) está agendada para as 11 horas (10 horas em Portugal continental).

A sua aprovação, como se prevê pelos discursos do debate que antecedeu a votação, implica a investidura do secretário-geral do PSOE Pedro Sanchez como novo líder do Governo em Espanha e a destituição do primeiro-ministro Mariano Rajoy e todos os seus ministros.

O primeiro-ministro chegou ao parlamento espanhol já depois de o debate ter começado e pediu a palavra.

"Podemos presumir que a moção de censura será adotada, tendo como consequência que Pedro Sánchez será o novo presidente do Governo", admitiu Rajoy no curto discurso que fez.

"Foi uma honra ter deixado Espanha melhor do que a encontrei", declarou. "Quero ser o primeiro a felicitar Sanchez e aceitarei como democrata o resultado da votação mas não posso aceitar como tudo foi feito".

A aprovação desta moção de censura é um momento histórico em Espanha, uma vez que o PSOE só tem 84 deputados. Mas os socialistas espanhóis deverão conseguir reunir o voto de 180 deputados, que incluem o Unidos Podemos (extrema-esquerda), os nacionalistas bascos e os independentistas catalães. Para afastar Mariano Rajoy é necessária uma maioria absoluta de mais de 176 lugares.

A provável queda do executivo de Mariano Rajoy, que esteve seis anos à frente dos destinos de Espanha, é provocada depois de vários ex-membros do PP terem sido condenados na semana passada a penas de prisão por terem participado num esquema de corrupção que também beneficiou esse partido.

O Cidadãos (direita liberal) retirou o apoio que até agora dava ao PP, mas recusa votar a moção de censura ao lado do PSOE.

Outras Notícias