Ramos Horta

Ramos-Horta destaca votação admirável em Timor-Leste quando há muito dinheiro em jogo

Ramos-Horta destaca votação admirável em Timor-Leste quando há muito dinheiro em jogo

O ex-Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta considerou que as legislativas decorriam de forma admirável, tendo em conta o interesse dos partidos em capturar poder político por causa do dinheiro disponível nos próximos anos.

"Eu estou felicíssimo porque correu tudo muito bem, contra algum receio meu no início, porque com tantos partidos a jogar tudo por tudo - e todos sabendo que vai haver muito dinheiro nos próximos cinco anos -, havia muito interesse em capturar algum poder político", afirmou José Ramos-Horta.

"Apesar disso a eleição decorreu de forma admirável e exemplar. Parabéns ao povo e a todos os partidos políticos", acrescentou o ex-Presidente, que falava aos jornalistas em Meti-Aut, onde exerceu o seu direito de voto.

Questionado sobre a previsão do resultado que sairá das urnas, José Ramos-Horta considerou que pode haver surpresas, mas o "mais provável é que haja coligações".

"Mas espero que não seja como em 2007. Se tiver de ser como em 2007 desejo muito boa sorte ao próximo primeiro-ministro, porque, como o Xanana (Gusmão) sabe ficou com os cabelos todos brancos por causa da coligação", afirmou, salientando que o chefe do Governo lhe disse que não quer mais coligações.

Há cinco anos, as eleições foram ganhas pela Fretilin, que não conseguiu maioria parlamentar e cedeu o poder ao Conselho Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT(, de Xanana Gusmão, à frente de uma coligação viabilizada pelo então Presidente Ramos-Horta.

José Ramos-Horta, que ficou fora da corrida logo na primeira volta nas presidenciais disputadas em março e abril passados, apoiou o Partido Democrático de Fernando La Sama de Araújo durante a campanha eleitoral para as legislativas.

PUB

Após ter votado, o ex-chefe de Estado disse que o seu "trabalho terminou hoje", sem adiantar o que fará no futuro.

Mais de 645 mil eleitores timorenses foram hoje chamados às urnas para escolher o próximo governo do país entre 21 coligações e partidos.

O Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) e a Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) afirmaram à agência Lusa que a votação está a decorrer sem incidentes.

Também a chefe da Missão de Observação Eleitoral da União Europeia (UE) às legislativas de Timor-Leste, a eurodeputada britânica Fiona Hall, disse hoje que a votação está a decorrer de forma ordeira.

As urnas encerraram às 15 horas de sábado (7 horas em Lisboa).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG