Terrorismo

Rapaz de 5 anos sobreviveu escondido pelo cadáver da mãe em Paris

Rapaz de 5 anos sobreviveu escondido pelo cadáver da mãe em Paris

Louis, de 5 anos, escondeu-se debaixo do corpo da mãe durante três horas, naquela noite de horror na sala de espetáculos Bataclan, Paris. Sobreviveu. Já lhe chamam "o menino milagre".

Nas três (longas) horas que durou o massacre no Bataclan, na noite de 13 de novembro, Louis fez aquilo que costumava fazer quando brincava às escondidas: ficava imóvel até que algum amigo o descobrisse ou a professora declarasse o fim da brincadeira.

Quando os terroristas interromperam o concerto dos "Eagles of Death Metal" com disparos ininterruptos de metralhadoras, ficou debaixo do corpo já sem vida da mãe, Elsa Delplace, 34 anos. E junto deles estava também o corpo da avó, Patrícia, 61 anos. Amantes de música "rock", quiseram assistir ao concerto e partilhar a sua paixão com o pequeno Louis. Era o seu primeiro concerto.

Disparos, explosões, sangue... desta vez não era um jogo. Mas Louis ficou imóvel. E sobreviveu. Escapou entre a multidão quando a polícia entrou no local e pôs fim ao ataque. Com o sangue da mãe na sua roupa e na sua pele... saiu pela porta das traseiras. Foi uma mulher que o viu e o levou ao hospital militar de Bégin, para onde foram reencaminhadas as vítimas. Estava em choque. Sem dizer uma palavra. Foi lá que o pai, Jérémy, o reencontrou.

"Não foi um ato de benevolência dos terroristas. Não o viram", sublinhou Ricardo Nuñez, embaixador do Chile no México e tio de Patrícia, citado no "El Mundo".

"Não só perdeu a sua mãe e a sua avó como o seu vínculo de proteção, por isso ficou junto aos corpos durante o tiroteio", explicou a psicóloga Miriam González ao jornal espanhol, que o apelida de "milagre do Bataclan". Louis tem agora o pai e os avós paternos como figuras-chave para voltar a sentir-se protegido, acrescentou.