Wuhan

Rastreio em Wuhan revela que assintomáticos podem não transmitir o vírus SARS-CoV-2

Rastreio em Wuhan revela que assintomáticos podem não transmitir o vírus SARS-CoV-2

Um rastreio de grandes dimensões na cidade chinesa de Wuhan, onde surgiram os primeiros casos de covid-19, permitiu concluir que os doentes assintomáticos têm uma baixa carga viral e, por isso, dificilmente vão infetar outras pessoas.

Há vários medos associados à covid-19, um deles é a possibilidade de pessoas infetadas e sem sintomas conseguirem transmitir o vírus aos outros. Algumas sem o saberem, uma vez que não sentem as mazelas da doença. Um novo estudo da revista científica "Nature", publicado na passada sexta-feira, vem demonstrar que os assintomáticos não terão afinal a capacidade de transmitir o vírus SARS-CoV-2. A conclusão vem de um rastreio feito entre 14 de maio e 1 de junho em Wuhan, na China, no qual participaram 9 899 828 pessoas, ou seja, todos os residentes com mais de seis anos foram elegíveis.

A testagem de 92,9% da população residente na cidade chinesa, onde foram registados os primeiros casos do novo coronavírus, permitiu descobrir 300 casos de covid-19 assintomáticos. Por outro lado, não é conhecido nenhum caso positivo com sintomas. Os 1174 contactos próximos dos assintomáticos cumpriram o isolamento durante duas semanas, mas nenhum teve sintomas ou testou positivo à covid-19. "A prevalência da infeção do SARS-CoV-2 em Wuhan foi muito baixa cinco a oito semanas após o confinamento", lê-se no estudo da "Nature".

Os 300 assintomáticos tinham entre 10 e os 89 anos: 132 eram homens e 168 eram mulheres. A taxa de infeção foi mais elevada em pessoas com mais de 60 anos e, consequentemente, foi mais reduzida em crianças e adolescentes (abaixo dos 17 anos). Apesar de a própria revista "Nature" admitir que "estudos anteriores mostram que pessoas assintomáticas eram infecciosas e podiam tornar-se sintomáticas", o mesmo não se verificou em Wuhan. "As pessoas infetadas assintomáticas têm geralmente uma baixa carga viral (...) o que reduz a transmissão da SARS-CoV-2".

Outra das conclusões, aplicável pelo menos a Wuhan, é a de que o vírus está a perder a força. "As novas pessoas infetadas vão provavelmente ser assintomáticas e com uma carga viral mais baixa, em comparação com os primeiros casos" de covid-19, explica a investigação da "Nature". Apesar do novo coronavírus se ter tornado tão diminuto em Wuhan, tal não significa que a população seja "complacente". Os investigadores recomendam as medidas de saúde pública, como o distanciamento social e o uso de máscara, continuem em prática e se tornem "escudos" para os mais vulneráveis à doença.

Conscientes da diversidade de informação em vários estudos, os responsáveis da revista científica clarificam que a descoberta tem limitações. Não foi possível avaliar as mudanças ao longo do tempo nos casos positivos e podem ter existido alguns falsos negativos (pela falta de fiabilidade dos testes e por a carga viral ser baixa). A "Nature" diz ainda que os "testes publicamente comprados pelo governo" seguiram as diretrizes oficiais de coleta, mas como em qualquer rastreio de grande escala, os "resultados falsos negativos são possíveis".

Outras Notícias