Mundo

Recontagem manual dos votos na Venezuela é impossível, assegurou Supremo Tribunal

Recontagem manual dos votos na Venezuela é impossível, assegurou Supremo Tribunal

A recontagem manual dos votos na Venezuela que a oposição reclama "é impossível", assegurou, esta quarta-feira, a presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Luisa Morales, que invocou a automatização do escrutínio.

"Na Venezuela, o sistema eleitoral é absolutamente sistematizado,de modo que a contagem manual não existe. Os que pensam que isto podia ser feito estão enganados", afirmou durante uma conferência de imprensa.

Morales fez esta afirmação no dia em que se espera que o candidato da oposição, Henrique Capriles, apresente formalmente ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a impugnação do resultado que deu como vencedor das eleições presidenciais, de 14 de abril, o candidato oficial, Nicolas Maduro.

Capriles, que reclama a recontagem dos votos, justificou a iniciativa com uma série de irregularidades que, assegura, afetam "mais de um milhão de votos".

Esta estimativa supera a diferença de 272 mil votos que o CNE contabilizou na sua terceira atualização de resultados eleitorais, que indica a vitória de Maduro com 7.575.506 votos (50,78%), sobre Capriles, que é creditado com 7.302.641 votos (48,95%).