Exploração sexual

Redes de tráfico humano atacam mulheres e crianças ucranianas

Redes de tráfico humano atacam mulheres e crianças ucranianas

Organizações humanitárias alertam para exploradores sexuais em campos de acolhimento de refugiados ucranianos. Predadores fingem ser voluntários para passar despercebidos.

Sentiram os horrores da guerra na pele e tiveram de deixar tudo para trás. Quando pensavam que estavam seguras e podiam baixar as defesas, as mulheres e crianças ucranianas ainda têm de resistir aos ataques das redes de tráfico humano.

"No primeiro dia como voluntária, vimos três homens italianos. Pareciam estar à procura de mulheres bonitas para o comércio sexual. Alertei a polícia e estava certa. Não era paranoia!". A história, passada num campo de acolhimento polaco, foi contada à BBC por Margherita Husmanov, uma refugiada ucraniana.

Há duas semanas, a jovem ucraniana atravessou a fronteira e decidiu ficar no campo para ajudar refugiados vulneráveis como ela. "As mulheres e crianças vêm de uma guerra terrível. Não falam polaco nem inglês. Não sabem o que se está a passar e acreditam no que lhes dizem".

Em tempos normais, as redes de tráfico humano já eram bastante ativas na zona. Com a chegada da guerra, intensificaram ainda mais a sua ação. A ONU já deu o alerta.

"Para predadores e traficantes sexuais, a guerra na Ucrânia não é uma tragédia: é uma oportunidade e as mulheres e crianças são os alvos", alertou no Twitter, António Guterres, secretário-geral da ONU.

Crianças são alvo fácil

PUB

Karolina Wierzbiska, coordenadora da Homo Faber, uma organização humanitária de Lublin, confirma que as crianças ucranianas são um alvo fácil. Há muitos menores a viajar sozinhos e os processos de registo são deficientes. Várias crianças, principalmente as que chegaram no início da guerra, estão em paradeiro incerto.

Margherita diz que as forças policiais já estão mais vigilantes e que, no seu campo, quase não se vêm homens suspeitos com cartazes a oferecer boleias. Mas isso não significa que as ameaças desapareceram. Apenas aprenderam a camuflar-se.

Karolina confirma que há predadores a fingirem ser voluntários e a tentar empurrar refugiadas para carrinhas com a promessa de um destino seguro. Muitas não desconfiam e vão. Para onde, não se sabe. Mas desconfia-se.

A voluntária conta ainda o caso de uma mulher que aceitou alojamento de um alemão, em Dusseldorf. Ele ficou-lhe com os documentos e exigiu que limpasse a casa. Depois, começou a fazer propostas sexuais. Ela recusou e ele pô-la na rua.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG