Covid-19

Regras do novo confinamento provocam confusão em França

Regras do novo confinamento provocam confusão em França

O Governo francês clarificou esta segunda-feira uma norma, após um fim de semana de confusão, afirmando que a justificação para sair durante o dia não é necessária, e adicionou alguns estabelecimentos à lista dos que podem abrir durante o confinamento.

Os 16 departamentos para os quais foi decretado um novo período de confinamento em França passaram um fim de semana de incerteza após as novas medidas anunciadas na quinta-feira passada pelo primeiro-ministro, Jean Castex.

O governante anunciou que os franceses desses 16 territórios, incluindo Paris e as suas imediações, teriam de apresentar uma justificação escrita ou em formato digital precisando a razão da saída de casa durante o dia.

No entanto, no sábado, o documento não estava disponível e um documento disponibilizado mais tarde não era suficientemente claro para os cerca de 21 milhões de habitantes nesta nova modalidade de confinamento.

Hoje a porta-voz do Ministério do Interior clarificou que para as saídas diurnas, os franceses que vivem nestes 16 departamentos não precisam afinal de apresentar qualquer justificação se se deslocarem num raio de 10 quilómetros à volta da sua residência.

"Foi algo feito com alguma urgência e acabámos por simplificar o processo logo a seguir. Assim, deixa de ser preciso ter uma justificação para um trajeto curto no raio de 10 quilómetros", explicou Camillie Chaize, porta-voz do Ministério do Interior, em declarações à rádio France Info.

PUB

Ao mesmo tempo, a acumulação de novas restrições durante o dia confundiu alguns, já que o recolher obrigatório continua em vigor, sendo assim necessária uma justificação para sair de casa entre as 19 e as 6.

O Governo quer ainda impedir ao máximo as aglomerações de pessoas dentro de portas, prometendo lançar nos próximos dias uma campanha de informação sobre onde, como e dentro de quais limites as pessoas se podem reunir.

Ainda nestes 16 territórios, apenas os comércios alimentares e essenciais deveriam permanecer abertos, no entanto uma nova lista atualizada pelas autoridades francesas inclui outros comércios como cabeleireiros, lojas de chocolates, mas também papelarias, lojas de tecido, assim como todas as lojas que vendem material eletrónicos e concessionários de automóveis, entre outros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG