Estado Islâmico

Reino Unido elimina jiadistas que planeavam matar a rainha

Reino Unido elimina jiadistas que planeavam matar a rainha

O primeiro-ministro britânico David Cameron considerou o ataque aéreo com "drones" na Síria uma medida de autodefesa. Os alvos eram dois elementos do Estado Islâmico que planeavam um ataque em Londres.

Cameron anunciou, na passada segunda-feira, que autorizou uma ação militar para eliminar dois jiadistas que representavam uma ameaça real para a segurança do Reino Unido.

Segundo o jornal "The Guardian", Reyaad Khan, de 21anos, e Ruhul Amin, de 26 anos, ambos britânicos, foram mortos a 21 de agosto durante um ataque aéreo com "drones" perto da cidade de Raqqa, na Síria. Ao jornal "The Telegraph" foi dito que foram usados aviões para espiar e localizar Khan antes do ataque fatal.

Um terceiro britânico, Junaid Hussein, de 21 anos, foi morto num outro ataque aéreo do Reino Unido que decorreu a 24 de agosto. Os ataques foram ordenados depois dos serviços secretos descobrirem os planos dos jiadistas para realizarem um ataque terrorista.

Tanto Khan como Hussein estavam a recrutar mais cidadãos britânicos para levar a cabo um plano de "ataques bárbaros", agendados para as comemorações do 70.º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, em Londres.

O secretário de Estado da Defesa, Michael Fallon, afirmou que nas próximas semanas e meses irão realizar-se novas ações militares como esta pois existem outros terroristas envolvidos em planos de atentados.

"Existe um grupo de pessoas que tem uma lista de alvos que querem atacar aqui nas nossas ruas, que planeiam interromper grandes eventos públicos, e o nosso trabalho é manter-nos em segurança, descobrir quem são e encontrá-los. Se não houver outra maneira de evitarmos esses ataques, então sim, iremos autorizar ataques como os que fizemos", declarou Fallon.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG