Saúde

Reino Unido mostra sinais de desaceleração da pandemia, mas há mais 502 mortes por covid-19

Reino Unido mostra sinais de desaceleração da pandemia, mas há mais 502 mortes por covid-19

O Reino Unido registou 22 915 novas infeções de covid-19, um aumento desde a véspera, e 502 mortes nas últimas 24 horas, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Saúde britânico, mostrando sinais de desaceleração da pandemia.

Na quarta-feira tinham sido registadas 19 609 novas infeções de covid-19, o número mais baixo desde 02 de novembro, e 529 mortes.

A média diária dos últimos sete dias foi de 23 294 casos e de 406 mortes, valores que refletem uma desaceleração da pandemia, resultado das restrições em vigor.

Inglaterra encontra-se a meio de um confinamento nacional, que termina a 2 de dezembro e a Escócia vai apertar a partir de sexta-feira as restrições em certas regiões do país.

A Irlanda do Norte está a avaliar se vai ou não concluir esta semana o confinamento temporário iniciado em meados de outubro, enquanto que o País de Gales terminou há duas semanas um confinamento de duas semanas após sinais de que os contágios desaceleraram.

O total acumulado desde o início da pandemia covid-19 no Reino Unido é agora de 1 453 256 contágios confirmados e de 53 775 óbitos registados num período de 28 dias após as vítimas terem recebido um teste positivo.

PUB

Esta quinta-feira, um investigador da Universidade de Oxford envolvido no desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19 adiantou a equipa espera divulgar os resultados da terceira fase de testes clínicos antes do Natal.

Andrew Pollard, especialista em infeção pediátrica e imunidade, disse à BBC que a investigação foi atrasada por baixas taxas de infeção durante o verão, mas que os testes da fase 3 agora estão a dar os dados necessários para fazer uma análise.

Os resultados preliminares da fase 2 com 560 pessoas, incluindo 240 com mais de 70 anos, publicados na revista Lancet sugerem uma forte resposta imunológica em pessoas com mais de 70 anos.

A Universidade de Oxford está a desenvolver a vacina com a farmacêutica AstraZeneca e precisa agora de mais dados para saber se a vacina é segura e eficaz.

Esta semana, as farmacêuticas Pfizer e Moderna publicaram resultados preliminares de testes das fases finais, mostrando que os seus projetos de vacinas têm uma eficácia de 95%.

O próximo passo é a aprovação dos reguladores e a produção de milhões de doses para serem distribuídas em todo o mundo, sendo que algumas farmacêuticas já começaram este processo sem garantia de que o produto final poderá ser usado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG