Irão

Relatório da ONU põe o Mundo à beira da guerra nuclear, diz Fidel Castro

Relatório da ONU põe o Mundo à beira da guerra nuclear, diz Fidel Castro

O ex-presidente cubano Fidel Castro afirma que o último relatório da Agência Internacional para a Energia Atómica sobre o Irão "põe o Mundo à beira da guerra nuclear".

"O mais curioso é que, mal a NATO acabou a sua operação na Líbia, a Agência Internacional para a Energia Atómica (AIEA), órgão das Nações Unidas, uma instituição que deveria estar ao serviço da paz mundial, lançou o seu relatório político, interessado e sectário que põe o Mundo à beira da guerra com uso de armas nucleares", escreve, num artigo publicado este domingo e intitulado "O cinismo genocida".

O líder comunista, de 85 anos, argumenta que a agência apoia assim a guerra que os EUA, "em aliança com a Grã-Bretanha e Israel, tem vindo a preparar minuciosamente contra o Irão".

Fidel Castro considera necessário que "a humanidade tome consciência dos riscos que corre inexoravelmente de cair numa catástrofe total e definitiva que seria uma consequência de decisões irresponsáveis dos políticos em cujas mãos o acaso, mais do que o talento ou o mérito, colocou o destino da humanidade".

No seu relatório, divulgado na terça-feira, a AIEA manifesta "sérias preocupações" sobre a dimensão militar do programa nuclear iraniano, com base em informações "credíveis".

O chefe da diplomacia iraniana, Ali Akbar Salehi, já tinha rejeitado antecipadamente qualquer acusação ao programa nuclear do seu país. Segundo o ministro, a agência da ONU, que há oito anos investiga o programa iraniano, "não tem qualquer prova séria".

Israel e vários países ocidentais acusam o Irão de querer dotar-se da bomba atómica, o que Teerão desmente.

Washington e os seus aliados ocidentais já manifestaram a intenção de utilizar o relatório da AIEA para reforçar as sanções que aplicam a título individual a Teerão e tentam convencer Moscovo e Pequim a intensificar as da ONU, adoptadas em quatro resoluções que foram aprovadas a partir de 2007.

O relatório deve ser discutido na reunião do Conselho de Governadores da AIEA de 17 e 18 de Novembro.

Outras Notícias