Paquistão

Religioso preso após proferir ameaças contra Malala

Religioso preso após proferir ameaças contra Malala

Um religioso extremista foi preso no Paquistão por proferir ameaças contra a jovem Nobel da Paz Malala Yousafzai devido às suas opiniões sobre a oportunidade do casamento, anunciou esta sexta-feira uma fonte oficial.

Desde que sobreviveu a um atentado dos talibãs quando tinha 15 anos, num distrito rural do noroeste do Paquistão, a jovem Malala, entretanto licenciada em Oxford, tornou-se um ícone da promoção da educação das meninas.

Mas, numa recente entrevista à revista "Vogue", Malala reacendeu as críticas no seu país, onde é uma personalidade controversa, ao responder a uma pergunta sobre a necessidade de legalizar a união dos casais.

"Porque é que temos de assinar papéis de casamento para ter uma pessoa na nossa vida? Porque não assumir simplesmente uma parceria?", questionou.

Malala Yousafzai será a capa de julho da edição britânica da revista "Vogue".

A declaração de Malala foi discutida no parlamento da sua província natal de Khyber Pakhtunkhwa, que considerou que os seus comentários ofendem o Islão.

PUB

"Malala sonha tornar-se primeira-ministra deste país, mas promove a obscenidade", disse o religioso Sardar Ali aos estudantes de um pequeno seminário local em Lakki Marwat, na semana passada.

O religioso acrescentou que gostaria de a fazer explodir num atentado suicida se Malala regressasse ao país.

O responsável da polícia Wasim Sajjad disse à AFP que o homem foi acusado de ter proferido ameaças e de fazer um discurso de ódio e de incitação ao terrorismo.

A detenção foi confirmada por outro responsável da polícia, Muhammad Imran.

Admirada no mundo inteiro, Malala Yousafzai é regularmente criticada no seu próprio país, onde os detratores consideram que dá uma má imagem do Paquistão.

No ano passado, Malala dirigiu-se ao primeiro-ministro Imran Khan na rede social Twitter após um dos autores do ataque que a visou ter conseguido escapar da prisão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG