Catalunha:

Representantes independentistas pedem fim de violência e distúrbios

Representantes independentistas pedem fim de violência e distúrbios

O presidente do parlamento da Catalunha, Roger Torrent, o líder da Esquerda Republicana da Catalunha, que está na prisão, Oriol Junqueras, e o ex-presidente do governo regional, Carles Puigdemont, apelaram esta quarta-feira ao fim da violência e a uma mobilização pacífica.

"Este país é fruto das lutas sociais, custou muito a construir e juntar. Precisamos de uma república e precisamos de todos e de todas. É preciso mobilização, mas sem violência", escreveu Oriol Junqueras nas redes sociais.

Também o presidente do parlamento catalão rejeitou o uso de violência nas manifestações contra a condenação à prisão dos principais líderes independentistas, anunciada pelo Supremo Tribunal de Espanha na segunda-feira.

"Há coisas que não nos representam", afirmou, acrescentando que "qualquer comportamento violento deve ser isolado".

"Não podemos permitir abusos e agressões policiais (...), mas devemos também proteger a natureza cívica e pacífica das mobilizações", defendeu Roger Torrent.

A mesma linha de pensamento foi usada por Puigdemont, que, numa declaração divulgada no Twitter, questionou os objetivos dos "incendiários".

PUB

"Eles nunca estiveram entre nós", disse, lembrando que os independentistas "derrotaram o Estado sem pedras, sem fogo e sem destruição" e defendendo ser preciso "serenidade e manifestações pacíficas".

Segundo o jornal espanhol ABC, a polícia regional da Catalunha (Mossos d'Esquadra) deteve, hoje à noite, 30 pessoas em Tarragona, na Catalunha, no âmbito de incidentes causados pelos distúrbios entre a polícia e cerca de 2.000 manifestantes.

Várias cidades da Catalunha registam cenários de batalha campal nas principais ruas, pela segunda vez consecutiva esta semana, com levantamento de barricadas, carros incendiados e lançamento de 'cocktail molotov'.

Com a Catalunha a viver o terceiro dia de protestos, o primeiro-ministro espanhol em funções, Pedro Sanchéz, chamou hoje os principais líderes da oposição para lhes garantir que irá agir "com moderação e firmeza" perante os episódios de violência, mas que não descarta nenhum cenário.

Em declarações na sede do Governo, na Moncloa, Madrid, após reunir-se com os líderes do PP, Cidadãos e Podemos, o primeiro-ministro alertou o presidente do governo regional catalão, Quim Torra, que nenhum governante "pode esconder o seu fracasso com cortinas de fumaça e fogo" e exigiu que Torra condene "sem desculpas ou paliativos" o uso da violência na Catalunha.

Na segunda-feira, o Supremo Tribunal espanhol condenou os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha a penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão, desencadeando movimentos de protesto de grupos de independentistas em todo o território da comunidade autónoma espanhola mais rica.

Barcelona tornou-se, na noite de terça-feira, cenário de uma batalha campal entre polícias e manifestantes, que construíram barricadas, queimaram mobiliário urbano e pneus, fizeram fogueiras e atiraram pedras e petardos contra os polícias.

Os confrontos violentos de terça-feira resultaram em 125 feridos, tendo 18 deles dado entrada em hospitais, nenhum deles com gravidade.

Esta quarta-feira há registo de pelo menos 41 pessoas feridas durante os protestos e manifestações, segundo o Sistema de Emergência Médico (SEM).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG