"Ocean Viking"

Resgatados 121 migrantes à deriva num bote insuflável no Mediterrâneo

Resgatados 121 migrantes à deriva num bote insuflável no Mediterrâneo

Um grupo de 121 migrantes que estava à deriva a bordo de um bote insuflável foi resgatado pelo navio humanitário "Ocean Viking", da organização não-governamental (ONG) francesa SOS Méditerranée, ao largo das costas líbias.

O resgate foi divulgado pela ONG francesa através das redes sociais e ocorreu a cerca de 30 milhas das costas da Líbia, na rota migratória do Mediterrâneo Central (que sai da Argélia, Tunísia e Líbia em direção à Itália e a Malta).

Segundo a SOS Méditerranée, entre as pessoas resgatadas constam 19 mulheres e duas crianças.

Por causa da sobrelotação e do estado de conservação do bote, alguns migrantes tinham caído à água, de acordo com o relato da ONG francesa, que indicou que estas pessoas foram as primeiras a serem resgatadas.

O "Ocean Viking", o único navio humanitário que se encontrava na área, foi alertado por uma avioneta da ONG alemã Sea-Watch para a existência desta embarcação em perigo, que estava parcialmente a esvaziar-se.

Nas últimas horas, a Alarm Phone, organização que recebe as chamadas de emergência feitas por embarcações que se encontram em perigo em alto mar, alertou igualmente para a presença, ao largo da ilha italiana de Lampedusa, de uma outra embarcação com cerca de 90 pessoas a bordo.

PUB

Um apelo que surgiu numa altura em que o navio humanitário "Open Arms", associado à ONG espanhola Proativa Open Arms, está a dirigir-se para a zona do Canal da Sicília para realizar a sua 80.ª missão de vigilância e de resgate de migrantes.

Nos últimos quatro anos, quase 6500 pessoas morreram ao tentar alcançar as costas da Europa através da travessia do Mediterrâneo Central, segundo os dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Esta rota migratória é encarada como uma das mais mortais.

Em 2020, pelo menos 780 vítimas mortais foram contabilizadas no Mediterrâneo Central, mas a OIM alerta, devido à capacidade limitada de monitorar esta e outras rotas migratórias, que o número real de mortes pode ser muito maior.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG