Guerra na Ucrânia

Rússia enfrentará "raiva" de muitos países se desistir do acordo sobre cereais

Rússia enfrentará "raiva" de muitos países se desistir do acordo sobre cereais

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, defendeu que a Rússia irá enfrentar uma "enorme indignação" e "raiva" de muitos países se desistir do acordo que permite a exportação de cereais ucranianos pelo mar Negro.

Blinken referiu, durante uma conferência de imprensa em Otava após um encontro com a homóloga canadiana, Mélanie Joly, que o pacto assinado com a Rússia para desbloquear o porto de Odessa é positivo e que dois terços dos cereais que estão a ser exportados da Ucrânia têm países do hemisfério sul como destino.

"A ideia de que a Rússia diria agora que não quer mantê-lo causaria muita indignação e muita raiva em países ao redor do mundo que estão a beneficiar dos cereais da Ucrânia", sublinhou o chefe da diplomacia norte-americana.

PUB

"Faremos todo o possível para manter o acordo", acrescentou.

Moscovo garantiu na quinta-feira que ainda não vê o cumprimento integral do memorando de Istambul sobre as exportações de cereais e fertilizantes ucranianos e russos proposto pela ONU e que ainda não tomou uma decisão sobre a prorrogação deste pacto, que termina a 19 de novembro.

O governante norte-americano também se referiu ao fornecimento de drones iranianos que, segundo Washington, a UE e a NATO estão a ser usados pelas Forças Armadas russas para atacar alvos militares e civis na Ucrânia.

Blinken realçou que os Estados Unidos estão a implementar sanções contra "redes de drones iranianos" há algum tempo. "Estamos a tentar quebrar essas redes e a fazer tudo o que podemos, não apenas com sanções, para interromper o comércio" de drones iranianos, acrescentou.

Para Blinken, a necessidade de Moscovo em obter drones iranianos para atacar a Ucrânia é prova de que as sanções impostas pelo Ocidente contra a Rússia estão a funcionar.

"A Rússia não pode produzir peças para os seus equipamentos e está a ser forçada a procurar em todo o mundo o que precisa para continuar a sua agressão", concluiu.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG