O Jogo ao Vivo

Segurança

Rússia pede que "não se tire conclusões precipitadas" após ataques no mar de Omã

Rússia pede que "não se tire conclusões precipitadas" após ataques no mar de Omã

A Rússia pediu, na sexta-feira, "moderação" e que "não se tire conclusões precipitadas" após os ataques de quinta-feira contra dois petroleiros no mar de Omã, cuja responsabilidade os Estados Unidos atribuem ao Irão.

"Condenamos veementemente estes ataques qualquer que seja o responsável. Mas é necessário abster-se de tirar conclusões precipitadas", indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia em comunicado.

O Ministério considerou "inaceitável acusar quem quer que seja de estar ligado a este incidente antes da conclusão de uma investigação internacional detalhada e imparcial" expressando a sua preocupação com as tensões no mar de Omã.

"Estamos a testemunhar uma escalada artificial de tensões, em grande parte devido às políticas anti-irão dos Estados Unidos", referiu a mesma fonte, pedindo "contenção" a todas as partes.

Dois petroleiros, um norueguês e um japonês, foram na quinta-feira alvo de um ataque no mar de Omã, em pleno Golfo Pérsico, uma região já sob tensão devido à crise entre os Estados Unidos e o Irão.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse hoje que os ataques a dois petroleiros no mar de Omã "têm a assinatura" do Irão, baseando-se num vídeo, entretanto divulgado pelo Pentágono.

PUB

"Vemos um barco com uma mina que não explodiu e que tem a assinatura do Irão", afirmou Donald Trump, numa declaração à estação televisiva Fox, referindo-se às imagens divulgadas pelo Pentágono, que os EUA dizem mostrar a Guarda Revolucionária iraniana a remover uma mina por detonar de um dos petroleiros atacados no mar de Omã, sugerindo que Teerão estaria a tentar retirar provas do seu envolvimento.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, acusou o Irão de ser "responsável" pelos ataques, mas o Governo do Irão rejeitou a acusação e condenou os incidentes "com a maior veemência possível".

O Presidente do Irão, Hassan Rohani, também acusou hoje os Estados Unidos de serem uma "grave ameaça à estabilidade" regional e mundial, após Washington responsabilizar Teerão pelos ataques.

Washington, que tem endurecido sistematicamente as sanções económicas e diplomáticas contra Teerão após sair de um acordo internacional de 2015 sobre o nuclear iraniano, multiplicou no início de maio as suas tropas no Médio Oriente, acusando o regime iraniano de preparar ataques "iminentes" contra interesses americanos.

Outras Notícias