Mundo

Rússia pressiona EUA para que se reate acordo nuclear com o Irão

Rússia pressiona EUA para que se reate acordo nuclear com o Irão

A Rússia pressionou, este sábado, os EUA para que sejam "mais ativos e para que resolvam todas as questões", de modo a que seja retomado o acordo nuclear com o Irão.

A declaração foi feita pelo chefe da diplomacia da Rússia, Serguei Lavrov, numa conferência de imprensa à margem da assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

Lavrov espera que as negociações de Viena, para salvar o acordo nuclear - suspensas desde junho -, sejam retomadas "o mais rápido possível", sublinhando que "o Irão não fez nada que seja proibido".

As discussões iniciadas em abril entre Teerão e as cinco potências ainda signatárias do acordo nuclear (França, Reino Unido, Alemanha, Rússia e China), com a participação indireta dos EUA, estão suspensas desde junho.

Concluído em 2015, o acordo de Viena, designado Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), previa o levantamento de sanções ocidentais ao Irão em troca de uma redução drástica do seu programa nuclear, que ficou sob controlo da ONU, para evitar que o país tentasse desenvolver uma arma atómica.

A saída dos EUA do pacto em 2018, com o consequente restabelecimento de sanções, e a resposta do Irão desde 2019 de deixar gradualmente de respeitar os seus compromissos enfraqueceu significativamente o JCPOA.

As negociações em Viena para o salvar têm como objetivo o regresso dos países ao seu cumprimento.

PUB

Além do Irão, Serguei Lavrov abordou ainda, em declarações hoje aos jornalistas, a relação da Rússia com o Mali, revelando que as autoridades malianas abordaram "empresas privadas russas" com o objetivo de reforçar a segurança no país.

O chefe da diplomacia russa descartou qualquer envolvimento a este respeito, mas sublinhou que para as empresas privadas russas "é uma atividade exercida com uma base legítima".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG