Kadafi

Sarkozy considera infames alegações de ter sido financiado por Kadafi

Sarkozy considera infames alegações de ter sido financiado por Kadafi

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, considerou, esta quinta-feira, uma "infâmia" as acusações do ex-primeiro-ministro líbio Al-Baghdadi al-Mahmudi sobre o financiamento da sua campanha eleitoral em 2007.

Segundo a AFP, "na quarta-feira, o governo líbio disse que [as acusações] eram falsas, o tradutor de Kadafi disse que eram falsas, o destinatário do famoso pagamento disse que eram falsas", afirmou Sarkozy.

O presidente francês e candidato à reeleição acrescentou que as acusações de Al-Baghdadi al-Mahmudi, que está detido na Tunísia, são "uma infâmia", acrescentando: "É grotesco".

Um advogado do antigo primeiro-ministro líbio Al-Baghdadi al-Mahmudi, citando o seu cliente, afirmou hoje que o regime de Muammar Kadafi financiou a campanha de Nicolas Sarkozy para as eleições presidenciais de 2007.

"Muammar Kadafi, o seu regime e os responsáveis que trabalharam com ele financiaram a campanha de Sarkozy nas eleições de 2007", disse Bechir Essed aos jornalistas em Tunes, onde Mahmudi está detido, mencionando o montante de cerca de 50 milhões de euros.

Segundo o advogado, o ex-primeiro-ministro líbio afirmou que "o acordo foi concluído por Mussa Kussa [ex-chefe dos serviços de informações externos] com instruções de Kadafi e assegurou que existem documentos atestando a transação".

O sítio de informação francês Mediapart publicou no sábado um documento atribuído a um ex-dignitário líbio, afirmando que Tripoli aceitou financiar por "50 milhões de euros" a anterior campanha de Sarkozy, em 2007.

PUB

Na segunda-feira, Sarkozy anunciou ter apresentado queixa contra a Mediapart pela publicação da nota, que qualificou de "falsa".

A procuradoria de Paris abriu um inquérito preliminar por "falsificação e publicação de notícias falsas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG