Covid-19

Seis países da UE "seriamente preocupados" com atrasos na entrega de vacina

Seis países da UE "seriamente preocupados" com atrasos na entrega de vacina

Os ministros da Saúde de seis Estados-membros da União Europeia (UE) afirmaram esta sexta-feira estar "seriamente preocupados" com o atraso na entrega das vacinas ​​​​​​​Pfizer/BioNTech, numa carta endereçada à comissária europeia para a Saúde, Stella Kyriakides.

Na missiva - citada pela agência de notícias francesa, AFP - os ministros da Saúde da Dinamarca, Estónia, Finlândia, Lituânia, Letónia e Suécia, referem que o anúncio de atrasos nas entregas das vacinas Pfizer/BioNTech "mina a credibilidade do processo de vacinação" e destacam que, ainda que o processo de compra conjunta de vacinas pela Comissão Europeia tenha trazido "otimismo à União Europeia inteira", a situação atual é "inaceitável".

"Vemo-nos agora na obrigação de informar a nossa população e os grupos de risco que a sua vacinação será adiada, não obstante os esforços consideráveis dos nossos governos para assegurar uma entrega dentro dos prazos", frisam os responsáveis na carta.

Nesse âmbito, os ministros pedem à Comissão para contactar "urgentemente" a Pfizer e a BioNTech para "pedir uma explicação pública" e "sublinhar a necessidade de se assegurar a estabilidade e a transparência das entregas".

O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra "a partir da próxima semana" nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.

"A redução temporária afetará todos os países europeus", indicou o Instituto de Saúde Pública norueguês.

PUB

"Não é conhecido, de momento, o tempo que poderá levar até a Pfizer regressar à capacidade máxima de produção, que será aumentada de 1,3 para dois mil milhões de doses" por semana, segundo a mesma fonte.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG