Pandemia

Sem vacina, as reinfeções de covid-19 "podem acontecer a cada 16 meses"

Sem vacina, as reinfeções de covid-19 "podem acontecer a cada 16 meses"

Um novo estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, dos EUA, concluiu que quem ainda não foi vacinado contra a covid-19 pode ser reinfetado, em média, a cada 16 meses. Isto porque com o passar do tempo a imunidade à doença diminui e o risco de reinfeção aumenta consideravelmente.

Este novo estudo, publicado na revista "The Lancet Microbe", analisou os dados já conhecidos sobre as reinfeções e ainda dados imunológicos de outros tipos de coronavírus, como o MERS-CoV, e desta forma conseguiu elaborar um modelo de risco de reinfeção por covid-19.

A imunidade natural é curta, e num modelo em que todos foram infetados com covid-19 ou vacinados contra a doença, aqueles que não são vacinados podem esperar ser reinfetados com o coronavírus aproximadamente a cada 16-17 meses.

"Os nossos resultados baseiam-se nos tempos médios de diminuição da imunidade em diferentes indivíduos infetados", disse Hayley Hassler, co-autora do estudo, ao "Yale Daily News". "Qualquer pessoa pode ter períodos de duração de imunidade mais longos ou mais curtos, dependendo do estado imunitário, da imunidade cruzada, da idade, e de outros fatores também", admitiu.

Sabe-se que a imunidade natural ao Sars-CoV-2 começa a diminuir ao longo do tempo. Um estudo dinamarquês sugeriu que as pessoas com menos de 65 anos tinham cerca de 80% de proteção durante pelo menos seis meses, enquanto as pessoas com mais de 65 anos tinham apenas 47%.

De acordo com dados oficiais do Reino Unido, entre os 20262 britânicos que testaram positivo à covid-19 entre julho de 2020 e setembro de 2021, 296 ficaram reinfetados 120 dias ou mais após o primeiro teste positivo, com um tempo médio de 203 dias entre testes positivos.

Mas parece que o risco de reinfeção se tornou maior desde maio deste ano, quando a variante Delta passou a ser a estirpe dominante um pouco por todo o mundo.

PUB

Outros dados dos EUA, onde vários Estados já começaram a relatar as taxas de reinfeção, apoiam a ideia de que existe um risco substancialmente mais elevado de reinfeção com a variante Delta. Só no Estado de Oklahoma, com cerca de 3,9 milhões de habitantes, foram reportadas 5229 reinfeções durante o mês de setembro (o que equivale a uma taxa de reinfeção de 1152 por 100 mil) e as reinfeções aumentaram 350% desde maio.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA definem a reinfeção por covid-19 como um caso confirmado laboratorialmente, que ocorre 90 dias ou mais após um caso previamente confirmado laboratorialmente.

"Ainda não sabemos muito sobre os fatores de risco da reinfeção, mas a suposição de que uma vez que todos os jovens a tenham a pandemia terá terminado está a tornar-se cada vez mais improvável", admiti Nisreen Alwan, professor da Universidade de Southampton, ao "The Guardian".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG