Brasil

Senador diz que "tragédia teria sido menor"com um professor armado

Senador diz que "tragédia teria sido menor"com um professor armado

O senador Major Olímpio, do Partido Social Liberal (PSL, do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro), afirmou esta quarta-feira que se algum professor ou funcionário da escola brasileira onde decorreu o tiroteio estivesse armado, "a tragédia teria sido menor".

"Se houvesse um cidadão com uma arma regular dentro da escola, um professor, um funcionário ou polícia aposentado que trabalha lá, poderiam ter minimizado o tamanho da tragédia", declarou o senador, citado pelo jornal Estadão.

Major Olímpio usou ainda a rede social Twitter para se manifestar acerca do tiroteio, declarando sentir-se "derrotado" com a situação.

"Sinto-me derrotado como polícia e como parlamentar diante da tragédia que ocorreu na escola Raul Brasil em Suzano. Lamento, choro e faço as minhas orações pelas vítimas desses canalhas, menos pela morte do dois bandidos. Chega de hipocrisia", declarou.

O político do PSL, partido do atual Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, avaliou a questão do armamento no país sul-americano, afirmando que "bandido não tem idade".

"Enquanto as armas forem ilegais, apenas os ilegais terão armas! Fracasso e safadeza da farsa da política desarmamentista que armou criminosos e impediu a legítima defesa. Mais uma triste tragédia que mostra a necessidade da redução da maioridade penal. Bandido não tem idade", escreveu hoje no Twitter, acrescentando que o desarmamento da população não é uma solução.

Em audiência no Senado, o senador aproveitou para defender o decreto presidencial que flexibilizou as regras para a obtenção da posse de armas.

Segundo o Major Olímpio, citado pelo Estadão, "a população colocou Bolsonaro como Presidente da República para ser um impulsionador de garantias para o cidadão, para que não existam tragédias dessa natureza".

O número de vítimas mortais no tiroteio que aconteceu hoje, no interior de uma escola na cidade brasileira de Suzano, subiu de oito para 10, segundo um novo balanço da polícia da região metropolitana de São Paulo.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da Polícia Militar de São Paulo, oito vítimas foram mortas dentro da Escola Estadual Raul Brasil e outras duas pessoas socorridas não resistiram e morreram no hospital.

Os dois autores do crime foram identificados pela Polícia Militar como sendo Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e eram ex-alunos daquela instituição de ensino.

O tiroteio aconteceu por volta das 09:40 (12:40 em Portugal continental), segundo relatos de vizinhos à imprensa local.

O governador do estado de São Paulo, João Dória, decretou, através da rede social Twitter, três dias de luto em todo aquele estado brasileiro.

"Profundamente chocado com essa inexplicável tragédia. É muito triste! Minha total solidariedade e todo o apoio às vítimas e aos familiares. Decretei luto oficial de três dias no estado de São Paulo", escreveu.