Abusos sexuais

Simone Biles e 90 ginastas pedem mil milhões ao FBI por falha em travar Nassar

Simone Biles e 90 ginastas pedem mil milhões ao FBI por falha em travar Nassar

As ginastas que foram vítimas de assédio e abusos sexuais por parte de Larry Nassar, incluindo a medalhada olímpica Simone Biles, vão processar o FBI por não ter impedido o médico de continuar a cometer abusos assim que recebeu as denúncias. No total, pedem cerca de 931 milhões de euros de indemnização.

O FBI (Departamento Federal de Investigação norte-americano) vai ser processado por cerca de 90 vítimas dos abusos de Larry Nassar por não ter agido assim que foi informado acerca das agressões sexuais cometidas pelo médico norte-americano.

Em 2015, a Federação de Ginástica dos Estados Unidos informou os agentes locais daquela Polícia de investigação de que três ginastas haviam denunciado ter sido assediadas por Nassar, médico da seleção nacional de ginástica. Mas o FBI não abriu uma investigação formal nem alertou as autoridades federais ou estatais do Michigan, acusou o inspetor-geral do Departamento de Justiça, adiantando ainda que, em 2016, quando agentes do FBI de Los Angeles iniciaram uma investigação contra Nassar e ouviram os testemunhos de várias vítimas, também não alertaram as autoridades do Michigan.

PUB

Nassar só foi detido mais tarde, ainda nesse ano, durante uma investigação levada a cabo pelas autoridades do Michigan sobre acusações de assédio sexual e pornografia infantil. Acabou por declarar-se culpado no ano seguinte, dois anos depois de o FBI ter recebido os primeiros alertas, tendo sido entretanto condenado a pena de prisão de até 175 anos de prisão. Agora, as vítimas estão a pedir uma indemnização de mil milhões de dólares (aproximadamente 931 milhões de euros) ao FBI, afirmaram os advogados das vítimas esta quarta-feira.

Entre as cerca de 90 vítimas que processaram o Departamento Federal de Investigação norte-american estão Simone Biles, Aly Raisman, McKayla Maroney e Samantha Roy, todas medalhadas de ouro olímpicas. "Se o FBI tivesse simplesmente feito o seu trabalho, Nassar teria sido detido antes de ter tido a oportunidade de abusar de centenas de raparigas, incluindo eu", disse a ex-ginasta da Universidade de Michigan Samantha Roy. Maggie Nichols, ginasta campeã nacional em Oklahoma, entre 2017 e 2019, afirma, por seu turno, que "está na altura de o FBI ser responsabilizado".

FBI reconhecem falha "imperdoável"

No ano passado, em declarações ao Congresso, o diretor do FBI, Christopher Wray, reconheceu erros graves. "Lamento que tenha havido pessoas no FBI que tiveram a oportunidade de deter este monstro em 2015 e tenham falhado. Isso é imperdoável", disse Wray às vítimas numa audiência no Senado. Na mesma ocasião, Simone Biles, uma das melhores ginastas do mundo, lamentou que um "sistema inteiro" tenha permitido os abusos.

A Universidade Estatal de Michigan, que também foi acusada de ter perdido oportunidades ao longo de muitos anos para deter Nassar, concordou em pagar 500 milhões de dólares (466 milhões de euros) a mais de 300 mulheres e raparigas que foram assediadas sexualmente por Nassar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG