Segurança

Sorria, está a ser filmado. Londres vai ter câmaras de reconhecimento facial

Sorria, está a ser filmado. Londres vai ter câmaras de reconhecimento facial

A polícia de Londres anunciou esta sexta-feira que vai passar a usar câmaras de reconhecimento facial ao vivo, uma tecnologia controversa por filmar os rostos das pessoas que passam nas áreas-alvo sem autorização nem conhecimento das mesmas.

Segundo o Serviço Metropolitano da Polícia, estas câmaras serão colocadas em áreas onde haja informações que sugiram poderem estar criminosos.

A vigilância em tempo real da multidão pela polícia na capital britânica está entre os usos mais agressivos de reconhecimento facial nas democracias modernas e levanta questões sobre o direito à privacidade.

Grupos de direitos humanos acusaram a polícia de Londres de ameaçar liberdades civis ao decidir usar esta tecnologia que representa um aumento da vigilância sobre pessoas anónimas.

A polícia de Londres explicou que o sistema de reconhecimento facial, que funciona com tecnologia da empresa japonesa NEC, procura rostos na multidão para ver se correspondem a alguma "lista de observação" de pessoas procuradas por crimes graves e violentos, incluindo crimes com armas e exploração sexual de crianças.

As câmaras serão usadas durante cinco a seis horas à vez. A polícia diz que a tecnologia identifica 70% dos suspeitos, mas uma análise independente revelou uma precisão muito menor.

As câmaras serão devidamente sinalizadas, cobrindo uma "área pequena e direcionada", e os policias irão distribuir folhetos sobre a vigilância de reconhecimento facial.

PUB

O comissário Nick Ephgrave disse que a polícia tem "o dever" de usar novas tecnologias para manter as pessoas seguras, garantindo que o público apoiou a mudança. "Todos nós queremos viver e trabalhar numa cidade segura: o público espera, com razão, que usemos uma tecnologia amplamente disponível para impedir criminosos". Ephgrave disse ainda que o sistema também pode ser usado para encontrar crianças desaparecidas ou adultos vulneráveis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG