O Jogo ao Vivo

Covid-19

Sputnik V não estará na UE antes de final de junho, diz governo francês

Sputnik V não estará na UE antes de final de junho, diz governo francês

A vacina russa contra a covid-19 Sputnik V não deverá estar autorizada na União Europeia (UE) antes do final de junho, avisou esta quinta-feira o secretário de Estado para os Assuntos Europeus francês, Clément Beaune.

"Há uma primeira fase de avaliação que se chama de revisão científica que, dizem-nos com segurança, não terminará antes de meados de junho", disse Clément Beaune em declarações ao Senado.

"E há ainda uma etapa final, que é o parecer da Agência Europeia de Medicamentos, sobre a autorização de comercialização, que leva mais algumas semanas. Portanto, a vacina não deverá ter autorização para ser aplicada antes do final de junho", explicou o governante francês.

Para Beaune, por essa altura, a UE já deverá ter "muitas mais doses de vacinas disponíveis (de outros laboratórios), pelo que a sua necessidade será muito menos urgente".

Clément Beaune também destacou a capacidade limitada de produção da vacina russa e criticou Moscovo por usar a Sputnik V como arma de propaganda no cenário internacional, replicando acusações já feitas por outros países e pela Comissão Europeia.

"Não sejamos ingénuos: eles (os governantes russos) têm uma estratégia de divisão na UE que, até agora, não funcionou", explicou o secretário de Estado francês.

Entre os 27 Estados-membros da UE, apenas Hungria, Eslováquia e República Checa decidiram até agora usar a vacina russa, optando por não esperar pela sua validação por parte da Autoridade Europeia de Medicamentos.

PUB

Na Eslováquia, a decisão levou à renúncia, na terça-feira, do primeiro-ministro, Igor Matovic, que foi criticado pela decisão, mesmo dentro do seu Governo.

Outros países, como a Alemanha, dizem estar prontos para usar a vacina Sputnik V no combate à pandemia, desde que esta seja aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.816.908 mortos no mundo, resultantes de mais de 128,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo ​​​​​​​coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG