Coronavírus

Sucesso de vacina contra a Covid-19 depende da forma como sistema imunitário atua

Sucesso de vacina contra a Covid-19 depende da forma como sistema imunitário atua

Especialistas advertiram para o risco de uma eventual vacina contra a Covid-19 se revelar ineficaz se não se souber como é que o sistema imunitário pode combater o coronavírus que causa a doença que se tornou uma pandemia.

A observação é feita num artigo publicado na revista científica Nature, que cita virologistas dos Estados Unidos, onde se ensaia, em Seattle, uma vacina em 12 pessoas saudáveis.

"Não sabemos assim tanto sobre a imunidade a este vírus", assinalou o imunologista da Universidade de Washington Michael Diamond.

O virologista Stanley Perlman, da Universidade de Iowa, realçou que as pessoas podem ficar infetadas com o novo coronavírus mesmo se tiverem concentrações elevadas de anticorpos contra este tipo de vírus, que causa infeções respiratórias como pneumonia.

A vacina que está a ser testada em Seattle visa capacitar o sistema imunitário para produzir anticorpos que reconheçam e bloqueiem a proteína que o coronavírus SARS-CoV-2 usa para entrar nas células humanas.

Para Michael Diamond, especialista em imunologia viral, uma vacina assim concebida pode não chegar.

Os especialistas sugerem que uma vacina eficaz contra o novo coronavírus poderá ter que estimular o corpo a gerar anticorpos que bloqueiem outras proteínas virais ou fazer com que as células T (células que defendem o organismo contra agentes infecciosos) reconheçam o SARS-CoV-2 e matem as células que foram infetadas.

Num teste com ratos e porquinhos-da-índia, uma vacina desenvolvida pela farmacêutica Inovio induziu a produção de anticorpos e células T contra o novo coronavírus. Face aos resultados obtidos, o laboratório prepara-se para avançar com um ensaio clínico em abril.

O cientista Peter Hotez, da Universidade Baylor, considera que potenciais vacinas devem ser testadas primeiro em animais para se perceber, com segurança, a sua eficácia: por exemplo, se houve uma melhoria dos sintomas associados à infeção pelo novo coronavírus.

Por vezes, acontece que pessoas vacinadas desenvolvem uma forma mais severa de uma infeção, depois de infetadas por um vírus, do que as pessoas que não estavam vacinadas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 235 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9.800 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 86.600 recuperaram da doença.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 177 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a tornar-se hoje o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 3.405 mortos em 41.035 casos.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje de manhã o número de casos confirmados de infeção para 785, mais 143 do que na quarta-feira. À tarde o presidente da Câmara de Ovar anunciou também uma vítima mortal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou o estado de emergência na quarta-feira - aprovado pelo parlamento, depois de parecer favorável do executivo - que prevê a possibilidade de confinamento obrigatório compulsivo dos cidadãos em casa e restrições à circulação na via pública, a não ser que seja justificada.