Ucrânia

Suspeito de incêndio perto de Chernobil diz que ateou chamas por "brincadeira"

Suspeito de incêndio perto de Chernobil diz que ateou chamas por "brincadeira"

Equipas de emergência continuavam esta segunda-feira a combater o incêndio florestal declarado sábado na área contaminada em torno da central nuclear desativada de Chernobil, centro-norte da Ucrânia, quando aumentam os receios de radiação.

A polícia anunciou a detenção de uma pessoa suspeita de ser responsável pelo incêndio. O homem, de 27 anos, disse que pegou fogo a erva seca "por brincadeira" e não conseguiu de seguida controlar as chamas que se propagaram rapidamente com o vento.

No sábado, eclodiram dois fogos na zona em torno de Chernobil, uma região que foi isolada após a explosão na central nuclear em 1986.

Os bombeiros referiram que conseguiram circunscrever um dos fogos numa área com cerca de cinco hectares, mas o segundo continuava ativo, abrangendo uma zona de cerca de 20 hectares. Informaram ainda que estão a ser utilizados meios aéreos para extinguir o incêndio.

As autoridades referiram que os níveis de radiação na área motivados pelos incêndios excedem substancialmente os níveis normais, mas os serviços de emergência indicaram que os níveis de radiação na capital Kiev, situada a cerca de 100 quilómetros a sul, estavam dentro das normas.

O reator número 4 da central de Chernobil explodiu em 26 de abril de 1986, e segundo certas estimativas a nuvem radioativa foi detetada em 75% do território europeu.

Após esta catástrofe, as autoridades evacuaram um vasto território de mais de dois mil quilómetros quadrados, que permanece abandonado após a retirada de centenas de milhares de pessoas. No entanto, cerca de 200 habitantes decidiram permanecer apesar das ordens em contrário.

Os três restantes reatores da central continuaram a funcionar após este incidente, o mais grave em toda a história do nuclear. O último foi desativado em 2000, assinalando o fim de toda a atividade industrial em Chernobil.

Os incêndios são frequentes nesta região, e alguns são iniciados quando a população local efetua queimadas de erva seca no início da primavera, uma prática comum na Ucrânia, Rússia e outros países da ex-União Soviética, e que provocam frequentemente devastadores fogos florestais.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG