Mundo

Terroristas de Bruxelas planeavam ataques a centrais nucleares belgas

Terroristas de Bruxelas planeavam ataques a centrais nucleares belgas

Os autores dos ataques a Bruxelas planeavam atacar as centrais belgas de Thiange e Doel, esta última inserida num aglomerado populacional de cerca de nove milhões de habitantes.

Segundo a imprensa belga, os irmãos Khalid e Ibrahim El Bakraoui, identificados como dois dos bombistas suicidas dos ataques em Bruxelas, planeavam atacar as centrais nucleares belgas de Doel e Tihange.

Doel, nas margens do Scheldt, tem a particularidade de ser a central nuclear com o maior aglomerado populacional do mundo em volta, com cerca de nove milhões de pessoas a viverem num raio de 75 quilómetros daquela unidade.

Segundo o jornal belga "Dernière Heure" (DH), a decapitação de uma parte da célula de Forest e a detenção de Salah Abdeslam, em Moulenbeek, levaram os terroristas a abortar os planos de atacar as estações nucleares belgas, optando por atentados mais imediatos e menos complicados de organizar, numa altura em que se sentiam acossados pela polícia e a ficar sem margem e manobra.

De acordo com a página do DH, os irmãos Ibrahim e Khalid El Bakraoui tinham instalado uma câmara de vigilância em frente à habitação do diretor do Programa de Investigação e Desenvolvimento Nuclear belga.

Um vídeo, com 10 horas de gravações, feito pelos dois homens pouco depois dos ataques em Paris, a 13 de novembro, havia sido encontrado em dezembro na posse de um dos suspeitos dos ataques em Paris, Mohamed Bakkali, sublinha o DH.

Após a divulgação desta informação, em 17 de fevereiro, 140 militares foram posicionados nas imediações das centrais nucleares no país para garantir a segurança.