Mundo

Timochenko pede a continuação dos protestos na Ucrânia

Timochenko pede a continuação dos protestos na Ucrânia

A líder da oposição ucraniana, Iulia Timochenko, libertada, este sábado, da prisão, foi recebida em festa por mais de 50 mil pessoas reunidas na Praça da Independência, no centro do Kiev, a quem pediu que continuem a lutar.

"Vocês são heróis, são os melhores da Ucrânia", gritou, em lágrimas, Iulia Timochenko, que surgiu sentada numa cadeira de rodas, enquanto a multidão gritava "Iulia! Iulia! Iulia!".

"Não reconheci Kiev, com carros queimados, barricadas, mas é uma outra Ucrânia, a Ucrânia dos homens livres", afirmou, algumas horas depois da destituição do Presidente Viktor Yanukovitch pelo parlamento.

Um retrato de Iulia Timochenko, em grande formato, foi colocado no centro da Praça da Independência, ocupada há três meses, dia e noite, por manifestantes que se opõem ao Presidente agora destituído.

"Se alguém vos disser que acabou, que podem voltar para as vossas casas, não acreditem, é preciso terminar o trabalho", disse.

Cerca de 80 pessoas morreram em Kiev entre terça e quinta-feira, em confrontos entre manifestantes e polícias, que atiraram balas reais.

Timochenko foi condenada a sete anos de prisão por abuso de poder em 2011, cerca de um ano depois da eleição do Presidente Viktor Ianukovitch, de quem era a principal adversária política.

Momentos antes da libertação da figura emblemática da Revolução Laranja pró-ocidental de 2004, o parlamento ucraniano destituiu Viktor Ianukovitch por "abandono das suas funções constitucionais" e convocou eleições presidenciais antecipadas para o dia 25 de maio.