Xanana Gusmão

Timor-Leste foi "traído" por "um país amigo" por interesses económicos

Timor-Leste foi "traído" por "um país amigo" por interesses económicos

O antigo presidente da República de Timor-Leste Xanana Gusmão afirmou que o país se sentiu traído por "um país amigo", a Austrália, aquando do uso dos serviços secretos do combate ao terrorismo em função de grandes interesses económicos.

"Sentimo-nos traídos por um país, supostamente amigo, e com o qual contávamos reconstruir [Timor-Leste]", disse Xanana Gusmão, em Lisboa, na apresentação do livro "Passar dos Limites - A História Secreta da Austrália no Mar de Timor", da escritora australiana Kim McGrath e que aborda a ação daquele país insular em território timorense nos últimos 50 anos.

A existência de um esquema de escutas montado em 2004 pelos serviços secretos australianos em escritórios do Governo timorense, em Díli, durante as negociações para um novo tratado para o mar de Timor, foi denunciada por um ex-agente dos serviços secretos australianos, conhecido como "testemunha K" (a sua identidade nunca foi revelada publicamente).

A "testemunha K" e o seu advogado, Bernard Collaery, são acusados de conspiração pelas autoridades em Camberra, crime que tem uma pena máxima de dois anos de prisão e estão a ser julgados num tribunal australiano.

Nesse sentido, Xanana Gusmão, o primeiro presidente de Timor-Leste desde a independência da Indonésia, lançou um apelo ao Governo australiano.

"É nesta revolta íntima, que arde cá dentro, que, humildemente, faço aqui um apelo público à razão para que o Governo da Austrália reconsidere e pare com a injustiça que está a ser praticada contra Bernard Colleary e contra a testemunha K", declarou, na cerimónia que decorreu durante o quinto encontro ministerial do g7+.

PUB

"Não era a segurança do Estado que estava em causa, mas o facto de se ter utilizado a inteligência militar para espiar assuntos de negócio entre a riquíssima Austrália e o paupérrimo Timor-Leste", considerou o antigo chefe de Estado, acrescentando: "Não era uma questão de segurança. Nós tínhamos acabado a guerra. Se tínhamos algumas armas, que já não funcionavam, não tínhamos armas. Aquilo não era uma questão de segurança da Austrália, nós não íamos invadir a Austrália".

De acordo com os relatos, através das escutas, o Governo australiano obteve informações que permitiriam favorecer as intenções australianas nas negociações com Timor-Leste da fronteira marítima e pelo controlo da zona Greater Sunrise, uma rica reserva de petróleo e gás.

O tratado, que acabou por ser assinado, apontava que cada país teria 50% da área a explorar, embora a maior parte das reservas se encontrasse dentro de território timorense.

Quando tomou conhecimento da existência das escutas, Díli contestou o tratado e apresentou uma queixa contra a espionagem de Camberra junto do Tribunal Arbitral de Haia, argumentando que, devido às ações do Governo australiano, o acordo era ilegal.

A autora do livro, Kim McGrath, assume-se como uma "australiana orgulhosa", mas clarificou que os documentos com que se deparou durante a pesquisa a deixaram "chocada e envergonhada", detalhando que o interesse australiano em Timor-Leste recuava a pelo menos 1963.

Com este livro, McGrath, que foi assessora de Steve Bracks, político australiano que, desde 2007, foi conselheiro 'pro bono' de Gusmão, pretende que os australianos "conheçam a vergonhosa história secreta" do país, de modo "a que não se repita".

Através da versão portuguesa, a autora espera "partilhar a história com uma audiência maior aqui [Portugal] e em Timor-Leste".

Kim McGrath disse ainda esperar que o seu livro "inspire os académicos portugueses a analisarem os arquivos nacionais portugueses" para que "preencham as lacunas" na sua história e que escrevam "a sua própria versão".

O livro, editado agora em português, cerca de dois anos depois do lançamento da versão original, na Austrália, resultou da análise de McGrath "aos milhares de documentos dos Arquivos Nacionais da Austrália".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG