Valência

Tiroteio entre dois clãs em cemitério espanhol ensombra retoma do Dia de Todos os Santos

Tiroteio entre dois clãs em cemitério espanhol ensombra retoma do Dia de Todos os Santos

Um tiroteio no cemitério de Torrent, Valência, que causou dois mortos e um ferido, lançou uma sombra sobre o Dia de Todos os Santos, que se destinava a restaurar a normalidade nos cemitérios espanhóis após as restrições da covid-19.

O acontecimento teve lugar por volta das 10.15 horas quando, segundo fontes policiais, dois clãs se confrontaram com armas de fogo, provocando dois mortos e um ferido. Fontes da investigação informaram a EFE de que as vítimas pertencem a uma família de etnia cigana.

O cemitério do Torrent foi encerrado ao público enquanto a investigação e a localização do autor ou autores do tiroteio continuam a cargo de um numeroso destacamento policial em todo o município.

O caso veio ofuscar o Dia de Todos os Santos, que se assinala esta segunda-feira, o primeiro que está a ser celebrado no resto dos cemitérios espanhóis, com uma relativa normalidade, após as restrições registadas no ano passado, devido à pandemia. Ainda assim, com menos pessoas do que no período anterior à covid-19.

No cemitério Almudena de Madrid, o maior de Espanha, já não existem restrições como no ano passado, mas, apesar disso, o número de pessoas tem sido inferior ao de outras ocasiões, indica a EFE.

Alguns atribuem-no ao facto de a tradição se estar a perder, ou como resultado de as pessoas terem preferido visitar os seus mortos por etapas, aproveitando o fim de semana prolongado para evitar as multidões que eram tão comuns nos anos anteriores à pandemia.

"Há quatro ou cinco anos estava lotado, a tradição está a perder-se", diz Lorenzo, um dos visitantes que esta manhã se deslocou ao cemitério para colocar flores na campa da sua mulher. Yolanda, uma das proprietárias da loja de floristas, nos portões do cemitério, reconhece que noutras ocasiões, a meio da manhã, "já havia um grande afluxo de visitantes".

PUB

Para este Dia de Todos os Santos, a Companhia Municipal de Transportes aumentou o número de autocarros em oito linhas que servem os cemitérios e os agentes da Polícia Municipal estão encarregues de monitorizar a mobilidade e assegurar que tudo corre bem.

Também o pessoal médico e os voluntários da Proteção Civil em Espanha foram destacados para qualquer eventualidade.

Os cemitérios andaluzes recuperaram também neste 01 de novembro a imagem perdida em 2020, com pessoas a visitar os cemitérios sem restrições, embora com chuva em muitas alturas do dia e máscaras em algumas situações, com mais aglomerados de pessoas.

A aglomeração de pessoas no cemitério de San Fernando de Sevilha, o maior da província, contrasta com a tranquilidade de pequenas cidades, como Herrera ou Aznalcóllar. Neste último, existe um eremitério árabe, um zawiya, único em Espanha.

Esta segunda-feira, o povo de La Rioja também observou a tradição de visitar os seus mortos. No caso de Logroño, o Dia de Todos os Santos tem sido muito diferente de 2020, quando a pandemia de covid-19 forçou um controlo rigoroso do acesso ao cemitério.

A 1 de novembro, o povo de Logroño pôde colocar ramos de flores, vasos e coroas em frente dos túmulos, nichos e panteões dos seus entes queridos, e puderam também utilizar a água das fontes para arrumar as lápides, algo que não conseguiram fazer no ano passado, para evitar o contágio.

O cemitério civil de La Barranca, em Lardero, também realizou um evento para recordar as pessoas ali enterradas, a maioria das quais eram republicanos mortos durante a Guerra Civil.

Hoje, a Câmara Municipal de Pamplona realizou o tradicional serviço fúnebre e homenagem em frente ao mausoléu do violinista Pablo Sarasate, localizado no cemitério de San José, na capital de Navarra.

E a presidente da câmara de A Coruña, Inés Rey, presidiu ao tradicional tributo floral ao Dia de Todos os Santos no cemitério de San Amaro, no qual prestou homenagem à luta pelos direitos sindicais no início do século XX e a duas figuras de destaque na medicina da Coruña: José Rodríguez Martínez, mais conhecido como "Doutor Rodríguez", e o Doutor Ramón Amigo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG