Animais

Transporte de "pets" negado leva famílias a pedir ajuda

Transporte de "pets" negado leva famílias a pedir ajuda

Organizações de apoio aos animais de vários países, incluindo de Portugal, e plataformas internacionais estão a ser inundadas por pedidos de socorro de ucranianos desesperados porque, na hora de escaparem à guerra, é negado o transporte dos seus animais de estimação. Em resposta aos apelos, são enviados autocarros para também os trazer. A organização portuguesa IRA decidiu voltar à Polónia e começou a preparar o seu "Hércules" para a segunda missão internacional de resgaste de refugiados e seus "pets".

Os ucranianos em fuga têm carregado os seus animais de companhia há duas semanas, muitas vezes no colo, embrulhados em cobertores ou dentro de malas. Enquanto muitos são deixados à sua sorte ou estão em instituições onde já não há alimento, outros dormem com os donos nos abrigos.

Nas imagens que correm mundo, gatos e cães aparecem no aconchego de adultos e crianças, que deixaram todo o resto para trás. Na fronteira, os ucranianos revoltam-se quando lhes dizem que não podem transportar os "pets", sobretudo de autocarro, e fazem chegar queixas aos defensores dos animais.

Ao mesmo tempo que a comunidade internacional faz esforços para trazer cidadãos para terra segura e envia bens de primeira necessidade, relatos e imagens mostram, assim, outra situação desesperante: refugiados confrontados com mais este choque de terem de optar entre ficar sem viagem ou sem os seus animais de estimação.

Imagens e vídeos nas redes sociais e meios de comunicação mostram desde cães de grande porte, como um pastor alemão no "The Guardian", ao colo de um homem entre destroços de metal e de vidro, até cachorros e gatos dentro de casacos, malas e caixas transportadoras.

Faltam transportadoras

PUB

Aliás, muitos apelos têm sido lançados devido à falta de transportadoras que permitam resgatar os animais. E não são apenas os de estimação. Também os animais em zoos estão a viver situações dramáticas, bem como os seus tratadores, e há relatos de operações de salvamento e de transferência para unidades de outros países.

Autocarros para a Polónia

Da Ucrânia, surgem relatos chocantes, como o dos jovens mortos por soldados russos quando levavam ração para um abrigo de cães. Ou a imagem de um homem junto à sua casa completamente destruída em Kiev, que perdeu a mulher, filhas e outros familiares, aparecendo devastado a chorar e a agarrar um dos gatos que sobreviveu.

Muitos animais deambulam pelos destroços, são abandonados em estações ou estão com militares ucranianos. Uma sociedade de transporte ferroviário na Ucrânia tinha resgatado no início do mês mais de 11 mil.

As organizações pedem donativos online para ajuda veterinária, comida e transporte. A organização portuguesa IRA - Intervenção e Resgate Animal decidiu voltar à Polónia de autocarro para trazer mais mulheres, crianças e idosos, com os animais.

IRA recebe centenas de mensagens

"Vamos voltar à Polónia para ir buscar mais mulheres, crianças, idosos e os seus animais de estimação. Não conseguimos assistir a estas notícias tristes e continuamente recebemos centenas de mensagens a pedir socorro porque ninguém quer transportar animais", anunciou a organização IRA - Intervenção e Resgaste Animal.

Formalmente chamada a ajudar e a integrar uma coluna humanitária até países de fronteira, levou, na sua primeira missão internacional, bens de primeira necessidade, incluindo ração. Trouxe de autocarro, esta semana, mais de 40 ucranianos até Lisboa, para um centro de acolhimento montado para o efeito. Entretanto, esta quinta-feira publicou no Facebook fotos do seu autocarro "Hércules", explicando que já estava a prepará-lo para a segunda missão internacional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG