Justiça

Tribunal da Suécia decide não pedir detenção de Julian Assange

Tribunal da Suécia decide não pedir detenção de Julian Assange

Um tribunal sueco decidiu não pedir a detenção, por alegada violação de uma mulher naquele país em 2010, do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, já detido no Reino Unido.

A decisão não significa o abandono da investigação na Suécia, mas que Assange -- que está atualmente detido no Estabelecimento Prisional de Belmarsh - não será extraditado e pode ser interrogado no Reino Unido.

A decisão do tribunal de Uppsala (Leste da Suécia) é suscetível de apelo, mas constitui um revés para a acusação, que pedia a emissão de um mandado de detenção europeu para transferência de Julian Assange do Reino Unido para a Suécia.

A audiência foi aberta às 10 horas locais (8 em Portugal continental) no tribunal de Uppsala, e terminou cerca de três horas depois, altura em que os juízes se retiraram para deliberar durante algumas horas.

Na semana passada, a procuradoria sueca anunciou que ia emitir uma ordem de detenção de Julian Assange na sequência da deliberação de um tribunal de Copenhaga que considerou Assange "suspeito de violação".

O fundador da rede WikiLeaks esteve refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, mas foi preso pelas autoridades britânicas no passado dia 11 de abril.

O australiano, de 46 anos, enfrenta igualmente a extradição para os Estados Unidos, nomeadamente pela difusão pública de informações militares secretas retiradas de um computador do Pentágono.