EUA

Trump considera "ridículas" acusações de destituição

Trump considera "ridículas" acusações de destituição

O presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu esta terça-feira à divulgação de acusações para a sua destituição, apresentada pelos democratas no Congresso, dizendo que elas são "ridículas".

Os democratas na Câmara de Representantes dos EUA apresentaram hoje dois artigos formais para a acusação no processo de 'impeachment' contra o Presidente Donald Trump, acusando-o de abuso de poder e obstrução ao Congresso.

Donald Trump é acusado de ter colocado os seus interesses pessoais acima do interesse nacional e de ter tentado obstruir as investigações do Congresso, durante o inquérito para destituição.

Trump usou a sua conta na rede social Twitter para voltar a rejeitar as alegações do inquérito de destituição, apresentadas por Jerrold Nadler, líder do Comité Judiciário, dizendo que este está a encabeçar uma "caça às bruxas".

"É ridículo. (...) Tanto o Presidente como o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia disseram, muitas vezes, que 'não houve pressão'. Nadler e os democratas sabem disso, mas recusam-se a aceitar", escreveu o Presidente no Twitter.

Donald Trump, 73 anos, está sob investigação do Congresso num inquérito para a sua destituição ('impeachment'), acusado de abuso de poder no exercício do cargo.

Trump é suspeito de ter pressionado o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a investigar uma empresa ucraniana da qual foi administrador o filho do ex-vice-presidente Joe Biden, seu rival político nas eleições de 2020, em troca de uma ajuda militar dos EUA.

Esta terça-feira, o presidente também acusou o líder do Comité de Investigação da Câmara de Representantes, Adam Schiff, onde o inquérito para destituição se iniciou, acusando-o de ser um "político corrupto", acrescentando que ele truncou as suas declarações, referindo-se à leitura que fez do telefonema com o Presidente ucraniano.

"Ele foi apanhado, ficou embaraçado, e ainda assim nada lhe aconteceu", denunciou Trump, dizendo que Adam Schiff terá um dia de responder pelo que considera ser "uma leitura fraudulenta" das suas declarações no caso em investigação.

Os artigos de 'impeachment' devem agora ser votados no Comité Judiciário, para depois serem levado para aprovação no plenário da Câmara de Representantes, onde precisarão de uma maioria simples.

O cenário de aprovação é provável, por causa da maioria democrata na Câmara de Representantes.

Se forem aprovados, os artigos seguem para o Senado, que se constituirá como uma espécie de tribunal, onde o presidente poderá apresentar a sua defesa judicial, precisando de uma maioria de 2/3 para que Donald Trump seja afastado do cargo.

Este cenário é improvável, perante a maioria republicana no Senado e depois de manifestações de forte unidade entre a bancada parlamentar que apoia o presidente.

Outras Notícias