EUA

Trump gravado a pedir que se encontrem 11.780 votos a seu favor

Trump gravado a pedir que se encontrem 11.780 votos a seu favor

Donald Trump foi gravado a pressionar a autoridade eleitoral da Geórgia para "recontar" os boletins de voto naquele estado e para "encontrar" votos suficientes para dar a volta aos resultados das presidenciais.

"Só quero encontrar 11.780 votos", diz o ainda Presidente dos EUA ao secretário de Estado da Geórgia, o republicano Brad Raffensperger, numa chamada telefónica realizada este sábado e agora divulgada pelo diário "The Washington Post". No mesmo registo é possível ouvir Raffensperger, a autoridade eleitoral estadual, a contestar e a dizer que os resultados divulgados naquele estado estão corretos.

Joe Biden venceu as últimas presidenciais ao ganhar em estados como a Geórgia e outros indecisos, o que lhe garantiu um total de 306 votos no colégio eleitoral contra os 232 de Trump. Desde o dia das eleições presidenciais, 3 de novembro, que Trump alega fraude eleitoral sem o sustentar com qualquer prova.

Entretanto, já todos os 50 estados certificaram o resultado das eleições, alguns deles após recontagens e recursos legais. O resultado das eleições deve ser ratificado formalmente pelo Congresso a 6 de janeiro, com Joe Biden a tomar posse como presidente a 20 de janeiro, duas semanas depois.

A manobra de Trump dá-se poucos dias antes da segunda volta das eleições na Geórgia, esta terça-feira, para decidir que partido controlará o Senado.

PUB

Se os candidatos democratas aos dois lugares no Senado pela Geórgia conseguirem uma vitória (os democratas não elegem ali um senador desde 2000), os democratas passam a controlar a câmara alta do Congresso dos EUA, onde já controlam a Câmara dos Representantes, o que facilitará a estratégia política do presidente eleito, Joe Biden. Isto porque haverá senadores republicanos e democratas em igual número e a vice-presidente eleita, a democrata Kamala Harris, como futura presidente do Senado terá voto de qualidade.

Kamala Harris já reagiu ao telefona de Donald Trump classificando-o como um "atrevido abuso de poder". A Casa Branca ainda não comentou a divulgação da conversa.

A chamada registada

Ao longo da conversa telefónica divulgada pelo "The Washington Post", pode ouvir-se Trump a lisonjear e a pressionar o secretário de Estado da Geórgia, assim como a insistir que tinha vencido as eleições naquele estado.

"Não há nada de errado em dizer que recalculou" os votos, disse Trump a Raffensperger. "Os dados que você tem estão errados", respondeu este a Trump.

Na mesma chamada, o presidente alegou com um rumor de que os boletins de voto tinham sido destruídos e o mecanismo de votação removido de Fulton, acusação infundada segundo o advogado de Raffensperger.

Trump ripostou, ameaçando o secretário de Estado com consequências legais. "Você sabe o que eles fizeram e não o denuncia. Isso é um crime. Não pode permitir que isso aconteça. É um grande risco para você e para Ryan, o seu advogado", disse.

É então que pede a Raffensperger que "encontre" mais 11.780 votos a seu favor, o que lhe daria mais um voto naquele estado do que a Biden, isto é, um total de 2.473.634 votos para Trump contra 2.473.633 para Biden. "Você pode reexaminar [o resultado], mas reexaminá-lo com pessoas que querem encontrar respostas, não com pessoas que não querem encontrar respostas", continuou Trump.

Ainda este domingo, Donald Trump disse no Twitter que Raffensperger não deu detalhes da fraude eleitoral na Geórgia. "Ele não tem ideia!", escreveu Trump.

Em resposta, também pelo Twitter, Raffensperger disse: "Com todo o respeito, presidente Trump. O que está a dizer não é verdade. A verdade virá à tona".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG