Wikileaks

Trump oferece perdão presidencial a Assange, mas há contrapartidas

Trump oferece perdão presidencial a Assange, mas há contrapartidas

Um advogado do fundador da Wikileaks disse em tribunal que o presidente dos Estados Unidos ofereceu um perdão presidencial a Julian Assange, caso este negasse o envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais de 2016. O australiano está atualmente em prisão preventiva em Londres.

É mais um ponto da novela de três atores: Assange, Trump e Putin. A informação de mais uma investida do presidente norte-americano é avançada pelo jornal britânico "The Guardian". Edward Fitzgerald QC, um dos advogados de Julian Assange, informou no Tribunal de Magistrados de Westminster numa audiência extraordinária que Trump está a ponderar oferecer perdão presidencial ao fundador do Wikileaks. O presidente dos Estados Unidos da América (EUA) terá apenas uma condição: Assange terá negar o envolvimento da Rússia na divulgação de emails do Partido Democrata, onde a principal visada foi Hillary Clinton.

Em 2016, a Wikileaks revelou emails da então candidata presidencial democrata, Hillary Clinton, que podem ter acabado por lhe custar a vitória nas eleições, da qual saiu vencedor o atual presidente dos EUA, Donald Trump. Os documentos consistiam em emails privados de Clinton, quando esta ainda era secretária de Estado, entre 2009 e 2013. Os emails terão sido roubados por piratas informáticos russos, o que lançou a suspeita de que a Rússia tivesse interferido propositadamente nas eleições presidenciais dos EUA.

A revelação da intenção de Trump em "remediar" a situação de Julian Assange terá sido feita com recurso ao congressista republicano Dana Rohrabache. O político norte-americano visitou em agosto de 2017 o ativista australiano enquanto este estava exilado na embaixada do Equador, em Londres. Nessa altura, Rohrabache terá informado Assange da intenção de Trump.

Segundo os advogados de Julian Assange, a vontade de Donald Trump vem comprovar que não há razão para que o ativista australiano esteja a ser acusado de 18 crimes nos EUA. Além disso Edward Fitzgerald QC, que defende Assange, afirmou em tribunal que Dana Rohrabache é considerado um dos congressistas norte-americanos preferidos de Vladimir Putin, presidente da Rússia.

Julian Assange foi detido a 11 de abril do ano passado e está atualmente em prisão preventiva em Londres, após ter sido expulso pela embaixada do Equador e entregue às autoridades britânicas. O fundador da Wikileaks é procurado nos Estados Unidos por 18 crimes, entre eles pirataria informática e conspiração. Assange colaborou com Chelsea Manning, que trabalhava como analista de informação do Departamento de Defesa dos EUA, para aceder a material classificado do Governo norte-americano.

O resultado dessa colaboração resultou na divulgação de centenas de milhares de documentos secretos. Se o australiano for considerado culpado e extraditado para os EUA poderá enfrentar uma pena de 175 anos de prisão. Para já, a juíza distrital Vanessa Baraitser, que ouviu a alegação do advogado de Assange sobre o suposto perdão presidencial de Trump, afirmou que a evidência será admissível em sede de tribunal.

A audiência de extradição vai começar na próxima segunda-feira no tribunal de Woolwich, em Londres, e o veredicto será conhecido apenas meses depois.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG