19 mortos

UE pede investigação "credível e rápida" a violentos protestos no Iraque

UE pede investigação "credível e rápida" a violentos protestos no Iraque

A União Europeia defendeu a realização de uma investigação "credível e rápida" sobre os violentos protestos em Bagdade em cidades do sul do Iraque, que já causaram pelo menos 19 mortos.

Em comunicado, a porta-voz da diplomacia europeia, Maja Kocijancic, indica que "a UE espera que as forças de segurança iraquianas exerçam o máximo de contenção na forma como lidam com os protestos e que os manifestantes mantenham manifestações pacíficas".

Lamentando a escalada de violência no país - que já fez pelo menos 19 mortos e dezenas de feridos desde o início das manifestações, na terça-feira, em Bagdade e em cidades do sul do país -, Maja Kocijancic acrescenta que "a UE apoia a realização de uma investigação sobre os acontecimentos, que deve ser credível e rápida".

"Estes protestos no Iraque são mais uma prova da urgência de dar resposta às necessidades e aspirações do povo iraquiano, em particular através de reformas económicas confiáveis e eficazes", adianta a responsável, concluindo que "a UE está disponível para apoiar esforços nesse sentido".

As forças de segurança iraquianas dispararam munição real e usaram gás lacrimogéneo contra algumas centenas de manifestantes reunidos em vários locais do centro de Bagdade, horas depois do início do toque de recolher anunciado pelas autoridades.

Antes do amanhecer, também foram ouvidas explosões dentro da zona verde, área com um forte esquema de segurança em Bagdad onde estão localizados escritórios do Governo e embaixadas estrangeiras.

A coligação liderada pelos Estados Unidos disse que uma investigação está em andamento, acrescentando que nenhuma força ou ativo da coligação foi atingido nestas explosões.

Os protestos parecem ser espontâneos e sem liderança política, organizados por pessoas pelas redes sociais contra a corrupção e a falta de serviços básicos, como eletricidade e água.

O recolher obrigatório foi anunciado esta quinta-feira, após uma reunião dos principais líderes do Iraque para discutir protestos antigovernamentais que tomaram conta do país.

As autoridades dizem que o recolher obrigatório é para "proteger a paz geral e os manifestantes dos infiltrados" que cometeram ataques contra forças de segurança e propriedades públicas.

A decisão exclui os viajantes de e para o aeroporto de Bagdade.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG