China

Universidade de Pequim sob confinamento após um caso de covid-19

Universidade de Pequim sob confinamento após um caso de covid-19

As autoridades chinesas colocaram uma das maiores universidades de Pequim sob confinamento, depois de diagnosticarem um caso de covid-19 - é mais um exemplo da insistência na estratégia de "zero casos", apesar do crescente descontentamento popular.

Alunos e professores da Universidade de Pequim foram proibidos de sair do "campus" e as aulas passaram a ser dadas online, de acordo com um aviso emitido pela instituição.

A universidade tem quase 50 mil estudantes, segundo o seu portal oficial.

PUB

Pequim registou mais de 350 novos casos, nas últimas 24 horas, uma pequena fração da sua população de 21 milhões, mas o suficiente para desencadear bloqueios e quarentenas localizadas, no âmbito da estratégia de "zero casos" de covid-19.

Em todo o país, a China diagnosticou cerca de 20 mil casos, nas últimas 24 horas.

As autoridades querem evitar bloqueios em toda a cidade, para tentar minimizar o impacto na atividade económica, mas sem abdicar da estratégia que visa eliminar surtos do novo coronavírus.

Na primavera passada, um bloqueio total de dois meses de Xangai, a "capital" económica da China, interrompeu as cadeias de fornecimento e o comércio, afetando a economia chinesa.

Diretrizes nacionais publicadas na semana passada pediram aos governos locais que sigam uma abordagem científica e direcionada e que evitem medidas desnecessárias.

Esta semana, grupos de moradores em Cantão, uma das maiores cidades da China, escaparam ao bloqueio dos seus bairros e entraram em confrontos com a polícia.

As tensões ocorreram no distrito de Haizhu, que está sob um bloqueio altamente restritivo. A área é o lar de muitos trabalhadores migrantes, oriundos de zonas rurais pobres. Reclamaram de não estarem a ser pagos por não poderem comparecer ao trabalho e da escassez de alimentos e do aumento dos preços, devido às medidas de prevenção epidémica.

Cantão, capital da província de Guangdong, enfrenta o maior surto de covid-19 desde o início da pandemia. A cidade registou mais de seis mil novos casos, nas últimas 24 horas. Outras cidades com grandes surtos incluem Chongqing, no sudoeste, Zhengzhou, na província de Henan, e Hohhot, capital da região da Mongólia Interior, no norte.

Em Zhengzhou, no final do mês passado, trabalhadores fugiram dos seus dormitórios na maior fábrica de iPhones do mundo, com alguns a escalar cercas para sair. A norte-americana Apple alertou que os clientes enfrentariam atrasos nas entregas dos modelos iPhone14 Pro, devido ao bloqueio das instalações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG