Covid-19

Vacina da CureVac com menos de 50% de eficácia nos ensaios

Vacina da CureVac com menos de 50% de eficácia nos ensaios

A vacina desenvolvida pelo laboratório alemão CureVac demonstrou apenas 48% de eficácia contra a covid-19, de acordo com os resultados definitivos dos ensaios clínicos, mas o laboratório quer, ainda assim, comercializá-la, adiantou a AFP.

A taxa de eficácia bastante abaixo da oferecida por outras vacinas com a tecnologia RNA mensageiro (mRNA) já em utilização traz alguma incerteza quanto ao futuro da vacina pré-encomendada em massa pela UE.

Os resultados preliminares anunciados em junho já apontavam para este desfecho, revelando apenas 47% de eficácia, com o laboratório a responsabilizar a disseminação de variantes pelos resultados alcançados.

Apesar disso, o CureVac espera conseguir uma aprovação das autoridades de regulação para comercializar a sua vacina, afirmou esta quinta-feira em conferência de imprensa o presidente executivo da empresa, Franz-Werner Haas.

Em defesa do fármaco, a empresa ressalvou que o desempenho de imunização é ligeiramente melhor na faixa etária entre os 18 e os 60 anos, nas quais a eficácia é de 53%.

Nesse grupo etário, o efeito protetor contra as formas moderadas e graves da doença chegam a 77% e de 100% na prevenção de hospitalizações e mortes, sublinha ainda a CureVac.

PUB

Entre os maiores de 60 anos, que representam 9% dos casos incluídos nos ensaios clínicos, "os dados disponíveis não permitem determinar a eficácia de forma estatisticamente clara".

Mas a empresa espera demonstrar o interesse da sua vacina para menores de 60 anos, que considera a partir de agora como o seu "alvo preferencial", de acordo com Franz-Werner Haas.

"Há ainda uma grande necessidade [de vacinas] para essa população em todo o mundo", defendeu o presidente executivo da CureVac, convicto de que o laboratório "tem o potencial de dar uma contribuição importante na luta contra a covid-19".

O primeiro regulador a pronunciar-se sobre a vacina será a Agência Europeia do Medicamento (EMA), que já deu início a um processo de avaliação contínuo. O calendário para a decisão não é conhecido, mas o laboratório alemão diz estar em "diálogo permanente" com o regulador europeu.

Em junho, um responsável da EMA já tinha explicado que, mesmo não sendo atingido um patamar de eficácia de 50%, as "vantagens e os riscos" serão mesmo assim avaliados para avaliar a relevância da vacina.

A Comissão Europeia encomendou à biotecnológica alemã 405 milhões de doses da vacina que, se for aprovada, nos termos do contrato terá que ser efetivamente comprada pela União Europeia, disse Haas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG