Covid-19

Vacina unidose da Johnson & Johnson considerada eficaz pelos EUA

Vacina unidose da Johnson & Johnson considerada eficaz pelos EUA

A vacina de dose única da Johnson & Johnson contra a covid-19 foi considerada eficaz pela Agência Americana dos Medicamentos, segundo documentos divulgados dois dias antes da reunião do comité consultivo para examinar a utilização de emergência nos EUA.

A eficácia da vacina é de 85,9% contra as formas graves da doença nos Estados Unidos e é igualmente eficaz contra essas formas graves em 81,7% na África do Sul e 87,6% no Brasil, noticia a Agência France Presse (AFP).

A Agência de Medicamentos e Produtos Alimentares (FDA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos estudou independentemente os resultados de ensaios clínicos conduzidos em cerca de 40 mil pessoas, em vários países.

"As análises validam um perfil de segurança favorável sem preocupações específicas identificadas que possam impedir a emissão de uma autorização de utilização de emergência", afirmou em documento escrito o regulador norte-americano. Segundo a AFP, a autorização poderá acontecer no final da semana.

A informação divulgada sobre os ensaios clínicos indica que a eficácia da vacina 28 dias após a inoculação foi de 85,4% contra as formas severas da doença e de 66,1% contra as formas moderadas de covid-19.

Estes dados confirmam os anteriores comunicados da empresa farmacêutica.

A Johnson & Johnson comprometeu-se a fornecer 100 milhões de doses da vacina aos Estados Unidos antes do final de junho.

PUB

Esta vacina é particularmente desejada, tendo em conta que apresenta duas vantagens em matéria de logística: administra-se em apenas uma dose e pode ser armazenada em temperaturas de frigorífico comum, o que facilita consideravelmente a distribuição.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) recebeu em 16 de fevereiro um pedido para a autorização da comercialização condicionada da vacina da Johnson & Johnson, produzida pela farmacêutica Janssen, prevendo emitir um parecer final em "meados de março".

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.486.116 mortes no mundo, resultantes de mais de 112 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG