Mundo

Vaticano confirma detenção de mordomo do papa

Vaticano confirma detenção de mordomo do papa

O Vaticano confirmou, este sábado, oficialmente a detenção, e a identidade, do mordomo pessoal do papa Bento XVI, um dos presumíveis autores do desvio de documentos confidenciais.

"Confirmo que a pessoa detida na quarta-feira por posse ilegal de documentos confidenciais encontrados na sua residência é Paolo Gabriele, que continua detido", indicou o porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi, num comunicado.

Vários 'media' italianos tinham identificado o mordomo do papa como o autor das fugas de informações que nos últimos meses abalaram o Vaticano e a hierarquia católica.

"O acusado nomeou dois advogados à sua escolha (...) e pôde reunir-se com eles", indica o comunicado, que assegura que Gabriele beneficiará de "todas as garantias jurídicas previstas pelo código penal e processual em vigor no Estado da Cidade do Vaticano".

"Todos o conhecem no Vaticano, há um sentimento de surpresa e de dor, mas também de grande amizade para com a sua família", disse mais tarde a jornalistas o porta-voz do Vaticano.

A polícia do Vaticano deteve Gabriele na quarta-feira, cerca de um mês depois da criação de uma comissão de inquérito para averiguar a origem das fugas.

No último sábado, foi publicado em Itália o livro "Sua Santita", do jornalista Gialuigi Nuzzi, que reproduz dezenas de documentos ultrassecretos enviados ao papa ou dos quais o papa teve conhecimento.

Esses documentos contêm informações sobre debates internos do Vaticano de questões como a situação fiscal da Igreja, o financiamento dos institutos católicos ou os escândalos sexuais da Legião de Cristo.