Mundo

Venezuela iniciou exercícios militares em sete regiões do país

Venezuela iniciou exercícios militares em sete regiões do país

A Venezuela iniciou na sexta-feira uma série de manobras cívico-militares de dois dias, no Exercício Militar Independência 2016, que foram ordenadas pelo Presidente Nicolás Maduro para medir a capacidade operacional das Forças Armadas perante "quaisquer cenários".

O início das manobras foi acompanhado pelo ministro da Defesa venezuelano, Vladimir Padrino, na base aérea Tenente Luís del Valle Garcia, no Estado de Anzoátegui (315 quilómetros a leste de Caracas), com a participação de mais de quatro mil funcionários, e decorreu em simultâneo em outras seis regiões da Venezuela.

"Estamos a executar estes exercícios nas sete Regiões de Defesa Integral do país com o objetivo de fortalecer a união cívico-militar e massificar a preparação dos planos das nossas Forças Armadas Bolivarianas", explicou o ministro aos jornalistas.

Por outro lado, explicou que se trata de manobras "únicas na sua natureza" e "sem precedentes, que incluíram o "patrulhamento de reconhecimento" regional, de informação de voo e zonas fronteiriças com outros países (Brasil, Colômbia, Guiana).

A imprensa venezuelana dá conta de que, nos exercícios de dois dias, participam mais de um milhão de militares e milicianos, tendo em conta o Estado de Exceção e Emergência Económica decretado pelo chefe de Estado e para garantir "que ninguém se mete com a Venezuela".

Na terça-feira, o presidente Nicolás Maduro denunciou que um avião militar norte-americano teria entrado duas vezes em território venezuelano, "para labores de espionagem inusitados".

Um dia depois, Nicolás Maduro ameaçou elevar o nível do estado de emergência decretado, depois da violência ocorrida nos protestos realizados pela oposição em várias cidades do país.