Venezuela

Venezuelanos mostram em vídeos a realidade em que vivem

Venezuelanos mostram em vídeos a realidade em que vivem

As redes sociais têm desempenhado um papel fundamental na Venezuela na denúncia dos abusos de poder durante os protestos. Através do uso das novas tecnologias, muitos são os cidadãos que recolhem imagens - muitas vezes em situação de perigo - e colocam-nas nas redes sociais. São "repórteres" que estão por todo o lado, dando conta do que realmente se passa no país, ajudando a comunicação social a mostrar a realidade. Veja os vídeos.

O tratamento hostil contra jornalistas e meios de comunicação social nacionais e estrangeiros tem sido denunciado na Venezuela por diversas organizações, entre as quais a Sociedade Interamericana de Imprensa.

Os casos mais notórios foram o corte do sinal de difusão do canal colombiano NTN24 por "razões de Estado" e a ameaça feita por Nicolás Maduro de retirar as credenciais aos jornalistas da rede televisiva CNN em língua espanhola, alegando que o canal dava conta de uma realidade diferente da que se vive naquele país.

Desde que começaram as manifestações de protesto nas ruas, foram registados 61 casos de violação da liberdade de expressão de acordo com o Colégio Nacional de Jornalistas e Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Imprensa. O número engloba 55 agressões contra repórteres durante a cobertura das manifestações em várias cidades do país.

Por seu turno, aquelas organizações denunciaram outras formas de pressão que estão a ser exercidas sobre a imprensa escrita. Segundo alegam, o Governo continua a limitar o acesso a divisas para que as empresas de comunicação social possam importar papel, tinta e outros produtos básicos que não são fabricados no país. Por outro lado, denunciaram a restrição do acesso à Internet e o bloqueio de imagens na rede Twitter.

Já a Associação de Correspondentes de Imprensa Estrangeira na Venezuela denunciou "agressões, maus tratos, hostilidades, ameaças e roubos" contra os meios, correspondentes e trabalhadores da imprensa.

É assim que a colaboração dos cidadãos na divulgação do que se passa na realidade na Venezuela é importante. Os vídeos que se seguem são exemplo disso.

Este vídeo mostra o momento em que o canal internacional NTN24 é censurado na Venezuela por ordem do Governo:

Neste vídeo, a NTN24 apresenta um documentário sobre o abuso de autoridade de alguns organismos da Venezuela durante os protestos:

A Guarda Nacional Bolivariana destrói um automóvel e a atira para a pessoa que faz o vídeo na janela:

Aqui vê-se tupamaros (grupos coletivos armados pelo Governo) a atirarem contra prédios e contra as poucas pessoas que estão na rua:

Testemunho de jovem que conseguiu fugir aos ataques da polícia:

Redes sociais mostram estudantes detidos nas ruas:

Num vídeo feito em casa, um homem denuncia a manipulação de imagens sobre uma manifestação na praça Altamira:

Johnattan Bilancier, diretor de plataformas digitais da NTN24, fala sobre a importância das redes sociais na Venezuela.

Agentes da Guarda Nacional Bolivariana matam jovem a sangue frio:

Documentário faz um pouco de história sobre como começaram os protestos:

Aviões de guerra chegam à Venezuela: