Tragédia Grécia

Escapa ao fogo na Grécia por pouco, perde funcionária e investimento de dez anos

Your browser doesn't support HTML5 video.

Grego de 52 anos perdeu o investimento de quase uma década num abrir e fechar de olhos.

Numa rua ribeirinha de Mati, estância balnear nos arredores de Atenas que foi uma das áreas mais afetadas pelos grandes incêndios gregos (83 mortos), Illias Vlamis vai olhando para o interior de um rés-do-chão feito crematório. "Era um supermercado. Era o meu supermercado", explica à primeira. Agora, já não é nada. Só um amontoado de destroços derretidos e chamuscados, muitos deles irreconhecíveis. "Abri-o há oito anos, porque, na altura, praticamente não havia supermercados em Mati".

O desalento quando olha em redor é esmagador. Mas ainda assim vai dizendo que teve sorte. "Saí dez minutos antes de o fogo cá chegar". Por isso, só soube do fogo pelas funcionárias. "Uma delas ligou-me a dizer que o fogo estava perto e eu disse-lhe para passar água à volta de todo o espaço. Mas ela explicou-me que o fogo já estava nas árvores. Só lhes disse para fugirem". Ilias recorda o episódio enquanto aponta para as tais árvores, agora completamente queimadas.

As duas funcionárias obedeceram. Fugiram. Foram para o mar. E sobreviveram. Uma terceira não teve tanta sorte. "Estava de folga. Morava aqui ao pé. Quando sentiu o fogo perto, tentou fugir para a praia. Mas já não conseguiu. O fogo apanhou-a", refere.

Os olhos enchem-se de lágrimas. O trauma é tal que Ilias garante que vai mudar de vida. "Vou arranjar outro trabalho. Mas não quero voltar a ter outro supermercado. Ia lembrar-me todos os dias desta imagem", desabafa.

Relacionadas