EUA

Viola amiga da noiva em despedida de solteiro dois dias antes de casar

Viola amiga da noiva em despedida de solteiro dois dias antes de casar

Uma festa antes do casamento. Amigos, sol, bom tempo e muito álcool. Os ingredientes necessários para uma despedida de solteiro memorável, mas que se transformou numa mistura perigosa que terminou com queixas de violação e um casamento condenado mesmo antes de se realizar.

Dois dias antes do casamento, Daniel J. Carney estava com os amigos no Estado da Pensilvânia a celebrar o momento que estava para acontecer. No meio de cerveja e shots de vodca, uma das damas de honor sentiu-se mal e a noiva pediu ao companheiro para que ajudasse a amiga a chegar ao quarto.

Segundo escreve o jornal "The Washington Post", citando o local "Morning Call", já no interior do quarto, o homem, de 28 anos, levou a mulher para o chuveiro, onde a terá agarrado com força, mordido e removido a parte de baixo do biquíni.

Homem acusado de agressão sexual

Na quinta-feira, Daniel foi acusado de ataque sexual. De acordo com documentos do Tribunal, a polícia usou imagens das câmaras de segurança, mensagens de texto e uma chamada telefónica que confirmaram as queixas da amiga da noiva de que o homem se aproveitou do estado em que estava para a violar. Apesar do incidente, o casamento decorreu dentro do que estava planeado.

Às autoridades, a mulher, que confirmou os excessos de álcool, disse que acordou com dores, no local onde Daniel a tinha mordido. Voltou a desmaiar, acordando novamente e foi nesse momento que percebeu que estava sem parte do biquíni e que o agressor estava deitado em cima dela.

Vinte minutos depois, a noiva encontrou-os e confrontou o homem, explica o jornal "Pittsburgh Post-Gazette". Os dois foram para o parque de estacionamento onde se terão envolvido num confronto físico, pode ler-se nos documentos tornados públicos pelo Tribunal.

Noivo ligou a pedir desculpas

Na manhã seguinte, o noivo ligou a pedir desculpas, explicando que não se lembrava de nada. No dia do casamento, voltou a enviar uma mensagem à vítima, pedindo para que esta fizesse uma boa cara no dia do casamento que teve lugar a 1 de setembro.

No entanto, no dia seguinte ao casamento, a dama de honor foi ao hospital e disse que tinha sido atacada sexualmente. Por outro lado, o noivo disse aos convidados que a mulher o tinha seguido e às autoridades explicou que estava bêbado e que a amiga da noiva se tinha aproveitado dele.

Imagens e telefonemas tramam noivo

No entanto, as declarações de Daniel foram, segundo explica o "The Washington Post", facilmente contrariadas pelas imagens dos vídeos de segurança do hotel. "As imagens mostram a vítima e o acusado a andar pelo corredor, com a vítima instável e a a balançar", escreveu Justin Leri, da polícia local. Confrontado com esta prova, o noivo confirmou ter puxado a mulher para o interior do quarto.

O telefonema que o homem fez no dia seguinte ao ataque também foi usado como prova, já que, mesmo não referindo a palavra sexo em nenhum momento, Daniel diz ser o responsável por tudo o que aconteceu.

Os procuradores acusam Daniel de agressão simples e ataque sexual a uma vítima inconsciente.